Avançar para o conteúdo principal

No Traçando Livros de hoje, Lydia Davis



Minha coluna no jornal Gazeta do Sul, caderno Mix, é sobre aforismos e contos: http://www.gaz.com.br/gazetadosul/noticia/417708-cacos_que_perturbam/edicao:2013-07-31.html
 
Cacos que perturbam
Cassionei Niches Petry

Dizer muito em poucas palavras, eis o desafio de quem se propõe a escrever aforismos. O termo designa, segundo o dicionário Houaiss, um “texto curto e sucinto, fundamento de um estilo fragmentário e assistemático na escrita filosófica, geralmente relacionado a uma reflexão de natureza prática ou moral”.
Para fugir dessa acepção moralista, os escritores criaram outros nomes para o gênero. Carlos Edmundo de Ory, poeta espanhol, elenca alguns: “Nietzsche os chama: sentenças e dardos / Novalis os chama: pólen / Baudelaire os chama: foguetes / Joubert: pensamentos, Cioran: pensamentos estrangulados, e Andréi Siniaski: pensamentos repentinos / Rozanov: folhas caídas y René Char: folhas de Hypnos / Malcolm de Chazal: sentido-plástico, e Louis Scutenaire: inscrições / Antonio Porchia os chama: vozes, e eu aerolitos”.
Emil Cioram, em Do inconveniente de haver nascido, afirma: “O aforismo? Fogo sem chama. Entende-se que ninguém queira se esquentar nele.” Para Humberto Gessinger, um dos principias letristas do rock nacional e líder da banda Engenheiros do Hawaii, “aforismos são o band-aid do pensamento: só servem para cortes superficiais.”
O crítico literário, tradutor e romancista Marcelo Backes propõe o termo estilhaços, com o qual intitula um de seus livros, editado pela Record. “O aforismo é anti-sistemático, de ascendência espontânea e fundado num arremate sentencioso”. O subtítulo da mesma obra também traz outras possíveis denominações: minigâncias, digressões e batocaços.
Em seu primeiro livro lançado no Brasil, Tipos de perturbação (Companhia das Letras, 252 páginas, tradução Branca Vianna), a norte-americana Lydia Davis aposta em ficções curtas, que beiram o aforismo, ao lado de contos mais longos, mas ainda assim curtos. Mescla epigramas (o aforismo em verso) com ensaios, além de arremedos de estudos científicos, trechos de diários pessoais e fragmentos que descrevem cenas da vida doméstica, como a difícil escolha de empregadas para a casa de uma escritora, não por acaso chamada sra. D., que poderia ser a própria Davis realizando uma autocrítica: “A sra. D. escreve contos, alguns bons, outros nem tanto.”
Franz Kafka, que foi um grande aforista, é um personagem de uma das poucas narrativas menos curtas. Ele se angustia por não saber o que fazer no jantar para o qual convidou Milena, sua namorada. Não fui ainda capaz de enfrentar a ideia, só consegui revoar em torno dela, como uma mosca em torno da luz, queimando a cabeça.”
Moscas, diga-se, são presença constante em vários momentos do livro, como no aforismo (ou microconto, como queiram) “Colaboração com a mosca”: “Eu pus a palavra na página, mas ela acrescentou o  acento.” A edição americana da obra traz na capa este inseto, que também estampa outro livro perturbador, O homem despedaçado, do gaúcho Gustavo Melo Czekster, editado pela Dublinense. Há bicho que mais incomoda nossa dia a dia quanto a mosca? E há outra arte que mais nos perturba do que a literatura?
Davis traz experimentos de linguagem nas suas ficções (apesar de ter afirmado em uma entrevista que não gosta do rótulo de escritora experimental), ficando longe de contar boas histórias. Isso é perturbador e, por isso mesmo, me atrai como forma artística. Não é por acaso que esses cacos, que formam um interessante mosaico literário, vêm dando certo, pois a escritora já obteve importantes prêmios, como o National Book Award de 2007.
Cassionei Niches Petry é professor, mestre em Letras e escritor. Publicou Arranhões e outras feridas (Editora Multifoco). Escreve regularmente para o Mix e mantém um blog, cassionei.blogspot.com, onde publica aforismos e contos.

Comentários

charlles campos disse…
me diz uma coisa, o blogspot está uma merda desde ontem, lentíssimo e travado, ou será que é meu note. Procede aí para você? Não consigo nem postar nada.
Cassionei Petry disse…
Aqui sem problemas, Charlles.

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Um toque

Chuva, café, música clássica e leitura. Daqui a pouco, o cachimbo. Combinação quase perfeita para uma manhã de dezembro, já de férias, final de ano, final de um péssimo ano. Os dedos escorrem pelas teclas com aquela necessidade de escrever algo. Não quero, porém, fazer nenhum balanço de final de ano como costumava fazer. As coisas ruins suplantaram as boas, peso maior para a morte trágica do meu pai, cujo rosto pude tocar pela última vez há pouco mais de dois meses. Os dedos continuam tateando o teclado. Há pouco estava lendo o romance O inverno e depois, de Luiz Antonio de Assis Brasil, editado pela L&PM. O protagonista, Julius, é um violoncelista, que tateia as cordas buscando o som perfeito, que toca no seu instrumento entre as pernas (o violoncelo, que fique claro) como se tocasse as curvas do corpo de uma mulher, que toca os cobertores que o protegem do frio do pampa, que toca o corpo das mulheres (Klarika, Constanza) como se tocasse seu cello. O toque é a preliminar do prazer…