Avançar para o conteúdo principal

Olivetti ("Eles" II)

Dudu era um garoto como outro qualquer da sua idade. Gostava de futebol, de andar de bicicleta, jogar vídeo game, de assistir à televisão, de ouvir música. Diferentemente da maioria, porém, gostava de ler. Começou com a coleção de gibis dos seus tios e depois passou a ler histórias sem ilustração nenhuma. Aventura, ficção científica, terror. Um dos seus tios, advogado, também gostava de ler e o presenteava com alguns livros de sua biblioteca.
Na adolescência, Dudu começou a escrever seus próprios livros. Datilografava suas histórias na Olivetti que também herdou do tio. Escrevia e guardava tudo na gaveta de sua escrivaninha. Depois do terceiro livro, desistiu de escrever. O tio, seu maior incentivador, havia se mudado para outra cidade para exercer a advocacia. A Literatura foi deixada de lado. 
Começou a ir a festas, se envolver com garotas, beber, até chegar às drogas. Numa noite de porre e muita maconha, chegou em casa e leu um bilhete deixado pela sua mãe: era para ligar para seu tio. Discou o número e, do outro lado, ouviu uma voz baixa dizer: “eles querem que você abra a gaveta, meu sobrinho”. Abriu-a. Uma luz forte o envolveu e ele foi tragado para o interior do móvel, tal qual Alice no filme de Švankmajer.
Quando a mãe entrou no quarto, não encontrou o filho. Apenas uma palavra escrita na velha Olivetti: “Eles”.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …