Avançar para o conteúdo principal

Morra ou tenha seu dinheiro de volta



Morra ou tenha seu dinheiro de volta

La tienda de los suicidas, do francês Jean Teulé, (li a tradução espanhola, mas há uma edição brasileira pela Ediouro, A loja dos suicidas) é um romance que desperdiça um tema abordado, num primeiro momento, de forma interessantíssima, mas que acaba caindo num tom otimista, beirando a autoajuda. O humor negro transforma-se numa ode à alegria, e a triste cena final serve apenas para deixar uma mensagem de que “todos temos uma missão a cumprir”.

A história se passa numa época futura, depois de várias guerras e mudanças climáticas, além do fim da camada de ozônio. O universo é governado por uma ditadora, Indira Tu-Ka-Ta, informação que somente na segunda metade do romance aparece. A família Tuvache é dona de uma loja especializada em produtos e utensílios que ajudam as pessoas a se suicidarem: venenos, cordas para se enforcar, blocos de concreto para amarrar ao corpo e se atirar em um rio, facas, sacos plásticos para sufocamento, etc. O estabelecimento é uma tradição familiar, sendo que seus membros levam a vida pensando apenas em coisas ruins e depressivas – a mãe, por exemplo, contava histórias de suicídios para as crianças dormirem e depois lhes desejava bons pesadelos–, só não terminando eles mesmos com suas existências porque não haveria ninguém para levar o negócio adiante. 

O slogan da loja não poderia ser diferente: “Sua vida tem sido um fracasso? Conosco sua morte será um êxito!” Quando um cliente sai da loja dizem sempre “adeus” e nunca “volte sempre”. O sucesso é nunca trazer o cliente de volta. 

Os nomes dos membros da família foram dados em homenagem a suicidas famosos. O pai, Mishima, foi nomeado com o sobrenome do escritor japonês que cometeu harakiri; Vincent, o irmão mais velho, refere-se ao pintor Van Gogh; a irmã, é Marilyn, homenagem à Monroe; já o caçula é o Alan, cujo xará, Alan Turing, considerado o “pai da informática”, teria se suicidado comendo uma maçã que foi imersa em cianeto.

Pois é o irmão mais novo o culpado pela quebra de equilíbrio na história, necessária, nessa caso, para gerar os conflitos. Ao contrário dos demais, o menino, sorri, é feliz, canta, brinca e incita os clientes a desistirem de morrer. É a ovelha negra da família, a que anda no caminho errado, mas que acaba levando, previsivelmente, toda a família para seu lado. É aí que o enredo decepciona e perde toda a ironia inicial. 

O livro foi adaptado para o teatro e o cinema, num longa de animação. Ambos, assim como o romance, devem agradar aos jovens, que procuram histórias mais divertidas, objetivo que tinha o autor, segundo revelou em uma entrevista. No entanto, devem frustrar os adultos ranzinzas e pessimistas como eu, que esperam da arte mais do que simples entretenimento.

Comentários

Lembra bem os dias de hoje. Se você é otimista sempre é tachado de alienado ou ufanista. Parece ser uma boa leitura.
Cassionei Petry disse…
Mas para o livro esse otimismo ficou ruim.

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Um toque

Chuva, café, música clássica e leitura. Daqui a pouco, o cachimbo. Combinação quase perfeita para uma manhã de dezembro, já de férias, final de ano, final de um péssimo ano. Os dedos escorrem pelas teclas com aquela necessidade de escrever algo. Não quero, porém, fazer nenhum balanço de final de ano como costumava fazer. As coisas ruins suplantaram as boas, peso maior para a morte trágica do meu pai, cujo rosto pude tocar pela última vez há pouco mais de dois meses. Os dedos continuam tateando o teclado. Há pouco estava lendo o romance O inverno e depois, de Luiz Antonio de Assis Brasil, editado pela L&PM. O protagonista, Julius, é um violoncelista, que tateia as cordas buscando o som perfeito, que toca no seu instrumento entre as pernas (o violoncelo, que fique claro) como se tocasse as curvas do corpo de uma mulher, que toca os cobertores que o protegem do frio do pampa, que toca o corpo das mulheres (Klarika, Constanza) como se tocasse seu cello. O toque é a preliminar do prazer…