Avançar para o conteúdo principal

Carpe diem, meus alunos






Estou cansado de lamentar morte de artistas neste 2014, isso que estamos apenas em agosto. Coincidentemente morreram dois caras que me inquietam por me fazerem rever meu trabalho como professor. Sobre um deles, já escrevi por aqui, o Rubem Alves. O outro morreu ontem, Robin Williams.
Quem me inquieta, na verdade, é o personagem vivido por ele em “Sociedade dos poetas mortos”, o professor Keating. Não sei nem mesmo se ele compactuava com as ideias do seu personagem. Mas o filme foi muito importante na minha vida, e continua sendo, na medida em que ainda o utilizo em sala de aula, seja mostrando aos alunos, que acabam adorando assisti-lo, seja para renovar meus conceitos. A realidade da sala de aula, no entanto, não me permite ser como Keating, como gostaria. Não dá para rasgar os livros didáticos, “pular” estudos de escolas literárias, subir na mesa (até porque meu peso não permite, no máximo subir em cima da cadeira). Tampouco há alunos, com raríssimas exceções, com sensibilidade poética para verem as coisas por outro ângulo e dispostos a se envolverem numa aula diferente. Tentei isso várias vezes. Funciona no início, mas depois não levam mais nada a sério e o que era interessante se torna chato para eles.
É bom lembrar que a escola, de uma forma geral, já há muito tempo não é mais conservadora, tradicional, porém não se decidiu a renovar de vez, e por isso os conflitos entre professor X aluno persistem. A escola deixou de ensinar, preocupada em agradar o aluno, afrouxou demais, e não mostra a importância que se deve dar ao conhecimento. Tudo hoje é em torno do “se adequar a realidade do aluno”, para a educação ter efeito precisa “fazer sentido para o estudante”. O personagem de Williams mostrava justamente que é necessário algo além das questões prementes do dia a dia, como nesse trecho de uma de suas lições: “Não lemos e escrevemos poesia porque é moda. Lemos e escrevemos poesia porque fazemos parte da raça humana. E a raça humana está impregnada de paixão. Medicina, Direito, Administração, Engenharia, são atividades nobres, necessárias à vida. Mas a poesia, a beleza, o romance, o amor, são as coisas pelas quais vale a pena viver.”
Carpe diem, era o lema recorrente no filme. No caso, significa não somente aproveitar a vida para fazer coisas úteis, mas principalmente era um chamado para que os alunos tornassem suas vidas extraordinárias. E não vejo forma de tornar a vida dos meus alunos extraordinária se não ensiná-los a aprender o que eles não sabem e não apenas o que já sabem, dar um sentido para o que não faz sentido para eles, mostrar-lhes outra realidade. Esse é o papel do professor. Isso fez Keating. Isso fazem artistas como Robin Williams.

Comentários

Tiago Cysne disse…
De fato um ator extraordinário, belo texto Cassionei.

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Um toque

Chuva, café, música clássica e leitura. Daqui a pouco, o cachimbo. Combinação quase perfeita para uma manhã de dezembro, já de férias, final de ano, final de um péssimo ano. Os dedos escorrem pelas teclas com aquela necessidade de escrever algo. Não quero, porém, fazer nenhum balanço de final de ano como costumava fazer. As coisas ruins suplantaram as boas, peso maior para a morte trágica do meu pai, cujo rosto pude tocar pela última vez há pouco mais de dois meses. Os dedos continuam tateando o teclado. Há pouco estava lendo o romance O inverno e depois, de Luiz Antonio de Assis Brasil, editado pela L&PM. O protagonista, Julius, é um violoncelista, que tateia as cordas buscando o som perfeito, que toca no seu instrumento entre as pernas (o violoncelo, que fique claro) como se tocasse as curvas do corpo de uma mulher, que toca os cobertores que o protegem do frio do pampa, que toca o corpo das mulheres (Klarika, Constanza) como se tocasse seu cello. O toque é a preliminar do prazer…