Avançar para o conteúdo principal

As guerras e o esquecimento



As guerras e o esquecimento



Comprei tempos atrás, num sebo, O livro do riso e do esquecimento, do escritor tcheco e naturalizado francês Milan Kundera. Havia me esquecido da obra nas minhas estantes quando resolvi lê-lo antes de entrar no mais recente romance do autor, A festa da insignificância. Na página 33, número místico para um cético como eu, encontro esquecido um bilhete de ônibus datado em 1992. Talvez o antigo dono tenha comprado o livro para esquecer a distância entre Santiago e Santa Maria, lugares de partida e de chegada segundo a passagem, que também indicava o horário de saída, meio-dia, a poltrona em que o passageiro se acomodaria, a 26, e o valor da viagem, Cr$ 34.175,00.

Pelo estado do volume, bem conservado, acredito que o dono se esquecera de lê-lo, absorto, quem sabe, na paisagem, ou então dormira embalado pelo sacolejar do veículo. E de esquecimento em esquecimento, a obra chegou às minhas mãos.

É sobre o esquecimento que fala a obra, mas também do riso. O riso que disfarça o sofrimento que se deseja esquecer. Na verdade, é uma obra de arte que nos diz para não esquecermos. No caso, não esquecer a invasão comunista na antiga Tchecoslováquia, que retirou os direitos e a liberdade dos seus cidadãos, inclusive o próprio Milan Kundera. A arte lembrando que temos que lutar contra um poder que tenta apagar seu passado e criar um novo presente, porém um presente indesejado. Como diz uma personagem no primeiro capítulo, “a luta do homem contra o poder é a luta da memória contra o esquecimento.”

Quando lemos as notícias dos conflitos na Rússia e na Ucrânia ou em Israel e na Faixa de Gaza, pensamos o quanto o homem esqueceu o que já aconteceu de ruim na história da humanidade. Quantas mortes, destruição, abalos morais e físicos que as nações sofreram para atingir objetivos de poder. Cada vez mais poder. E continuam. Homens que lutam para obter poder. Gente inocente que morre sem nunca ter pensado no poder. Gente que é perseguido por lutar contra esse poder. Gente que morre nas mãos de quem tem poder. Esquecemos tudo isso. Ou não esquecemos, mas continuamos errando.

Voltamos para o antigo dono do livro do Kundera. Talvez ele não tenha lido o livro no ônibus porque estava pensando na Guerra do Golfo que acontecia naquele não tão distante ano de 1992. Ou então começara a ler e as palavras de Kundera desencadearam algo dentro de si, algo que lhe fez tirar os olhos das páginas e refletir sobre a estupidez humana. É o que faz a grande literatura, não nos esqueçamos disso.

Comentários

charlles campos disse…
Belo texto. Tenho que ler este do Kundera. Kundera escreveu um dos livros que mais me incomodou: A insustentável leveza do ser. Também é um excepcional ensaísta, com o qual te recomendo seu recente volume sobre literatura O encontro.
Cassionei Petry disse…
Estou com os ensaios na fila, quero começar pelo primeiro "A arte do romance".

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Um toque

Chuva, café, música clássica e leitura. Daqui a pouco, o cachimbo. Combinação quase perfeita para uma manhã de dezembro, já de férias, final de ano, final de um péssimo ano. Os dedos escorrem pelas teclas com aquela necessidade de escrever algo. Não quero, porém, fazer nenhum balanço de final de ano como costumava fazer. As coisas ruins suplantaram as boas, peso maior para a morte trágica do meu pai, cujo rosto pude tocar pela última vez há pouco mais de dois meses. Os dedos continuam tateando o teclado. Há pouco estava lendo o romance O inverno e depois, de Luiz Antonio de Assis Brasil, editado pela L&PM. O protagonista, Julius, é um violoncelista, que tateia as cordas buscando o som perfeito, que toca no seu instrumento entre as pernas (o violoncelo, que fique claro) como se tocasse as curvas do corpo de uma mulher, que toca os cobertores que o protegem do frio do pampa, que toca o corpo das mulheres (Klarika, Constanza) como se tocasse seu cello. O toque é a preliminar do prazer…