Avançar para o conteúdo principal

No Traçando Livros de hoje, novo romance de Milan Kundera



A festa imperdível de Kundera

Indiscutivelmente, os romances e os livros de contos de Milan Kundera trazem algumas peculiaridades, entre elas, a divisão em sete partes. Destaca-se também a presença dos prefixos “in” ou “i” em algum dos seus títulos. Sua obra mais famosa é um exemplo: A insustentável leveza do ser. Prefixos de negação ou ausência revelam, de certa forma, os temas propostos pelo autor. No seu recente lançamento, A festa da insignificância (Companhia das Letras, 134 páginas, tradução de Teresa Bulhões de Carvalho Fonseca), há uma reflexão filosófica sobre ausência de algo relevante na vida cotidiana de quatro “heróis”: Alain, Ramon, Charles e Calibã.
Inseparáveis mesmo quando não estão juntos, os quatro amigos transitam pelas ruas, museus, praças e festas de Paris, refletem sobre umbigos de mulheres, as pessoas entediadas em um museu, sobre Stálin e o comunismo, o humor, anjos, o narcisismo: “Com D’Ardelo, você não está diante de um insignificante, mas de um Narciso. E preste atenção no sentido exato dessa palavra: um Narciso não é um orgulhoso. O orgulhoso despreza os outros. Os subestima. O Narciso os superestima, porque observa nos olhos de cada um sua própria imagem e quer embelezá-la.” Se o início do romance, a personagem Alain se pergunta no que há de sensual nas mulheres deixando à mostra seus umbigos, parte do corpo tão insignificante, o leitor percebe depois que é o “olhar para seu próprio umbigo” a tônica da história, ou das histórias que são contadas.
Insólitas muitas vezes, as narrativas que permeiam o livro tratam desse “eu-como-centro-do-mundo”. Stálin, por exemplo, presença direta ou indireta como sombra nos romances de Kundera, nos é mostrado como o típico ser humano que vive unicamente para si próprio e que gosta inclusive de ouvir falarem mal dele, pois mesmo assim é o centro das atenções. A personagem D’Ardelo, cuja festa de aniversário tem como convidados integrantes da burguesia parisiense, mente a Ramon que está com câncer só pelo prazer de ser lembrado por isso. Calibã, ator em decadência, trabalha como garçom na festa, auxiliar de seu amigo Charles, e finge ser um paquistanês para ser a atração exótica do evento, porém sem muito sucesso. Para serem o centro, as personagem se negam ou se tornam ausentes. Será por isso que Kundera não dá mais entrevistas e não se deixa ser fotografado?
Inevitável afirmar que A festa da insignificância é um pequeno grande exemplo de como se pode fazer Literatura, com L maiúsculo, de qualidade e com reflexões filosóficas, e ainda por cima ser um "best-seller". Não é o melhor de Milan Kundera, mas ele continua inventivo, intemporal, impagável.
Cassionei Niches Petry é professor, mestre em Letras. Autor de Arranhões e outras feridas (Editora Multifoco) e Os óculos de Paula, que será publicado brevemente. Escreve regularmente para o Mix e mantém um blog, cassionei.blogspot.com.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Um toque

Chuva, café, música clássica e leitura. Daqui a pouco, o cachimbo. Combinação quase perfeita para uma manhã de dezembro, já de férias, final de ano, final de um péssimo ano. Os dedos escorrem pelas teclas com aquela necessidade de escrever algo. Não quero, porém, fazer nenhum balanço de final de ano como costumava fazer. As coisas ruins suplantaram as boas, peso maior para a morte trágica do meu pai, cujo rosto pude tocar pela última vez há pouco mais de dois meses. Os dedos continuam tateando o teclado. Há pouco estava lendo o romance O inverno e depois, de Luiz Antonio de Assis Brasil, editado pela L&PM. O protagonista, Julius, é um violoncelista, que tateia as cordas buscando o som perfeito, que toca no seu instrumento entre as pernas (o violoncelo, que fique claro) como se tocasse as curvas do corpo de uma mulher, que toca os cobertores que o protegem do frio do pampa, que toca o corpo das mulheres (Klarika, Constanza) como se tocasse seu cello. O toque é a preliminar do prazer…