Avançar para o conteúdo principal

Dois anos de "Arranhões e outras feridas"



Há exatos dois anos, lançava meu primeiro livro, "Arranhões e outras feridas". Mesmo sabendo que tenho um longo caminho a percorrer, comecei, mesmo constrangido, a me denominar escritor, ainda mais lançando na Feira do Livro de Santa Cruz do Sul. Praticamente só amigos, colegas e familiares prestigiaram o evento o que me deixou feliz, mas, por outro lado, me inquietou por perceber que, mesmo sendo colunista de literatura do maior jornal da região, tendo colaborado com o jornal mais importante do RS e sendo dono de um blog com milhares de acessos mensais, as pessoas do meio cultural da minha cidade, com raras exceções, não consideram minha contribuição relevante para a literatura. Em alguns eventos que visito, poucos me conhecem e não têm ideia de quem seja o Cassionei. Faz parte do processo. O curioso é que meu nome já é mais reconhecido fora daqui, tanto que já fui convidado para participar como jurado da primeira fase do prêmio literário mais importante da língua portuguesa, troco informações com escritores, críticos e professores de várias partes do país e até fora dele, já tive até um post do twitter reproduzido no jornal El Clarín da Argentina, além disso fui entrevistado por uma rádio da capital e outros blogues repercutiram o meu livro. Se ainda não tenho o reconhecimento na minha cidade, talvez seja porque não fico puxando o saco de ninguém, sou comedido nas "curtidas" e comentários do facebook, não sou cara de pau de ficar convidando todo mundo para ser "amigo" por aqui, também não frequento bares, festas e afins e não consigo ir a muitos eventos culturais porque a maioria acontece à noite, e sou professor nesse período.
De qualquer forma, quem leu "Arranhões e outras feridas" fez críticas elogiosas a alguns contos. O que mais repercute é o conto “Ônibus”. Foi o livro de um estreante, publicado de uma forma que inviabilizou a divulgação na imprensa, a venda em livrarias ou a participação de concursos e chegou às mãos de poucos críticos literários, até porque somente pude enviar a eles em versão PDF. Porém, continua aí e começa a dar espaço para “Os óculos de Paula”, que será lançado brevemente. Aos meus leitores, obrigado, e espero não decepcioná-los no próximo livro.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …