Avançar para o conteúdo principal

Kafka e seu pai: “Da tua poltrona, tu regias o mundo.”


Dia dos Pais chegando. Não sou muito de datas. Cada vez me apego menos a elas. É inevitável, porém, escapar de suas garras, principalmente se a data é comercial.
Tenho uma relação boa com meu velho, apesar de ele não ter sido tão presente na minha vida como eu gostaria, pois é divorciado de minha mãe. Na condição de pai, eu tento ser com minha filha o que meu pai não foi para mim. Acho que consegui ser um pouco melhor.
Quero, no entanto, falar de literatura, não de mim. E sobre o tema relação pai e filho, a primeira obra que me vem à mente é um pouco óbvia: a Carta ao pai, de Franz Kafka. O escritor tinha 36 anos quando escreveu as mais de cem páginas manuscritas, entre os dias 10 e 19 de novembro de 1919. Hermann Kafka demonstrara indiferença com a notícia do filho de que estava ficando noivo de Julie Wohryzek, sendo o que faltava para que o autor de O processo derramasse em forma de palavras todas as suas mágoas em relação ao pai.
Em seu desabafo literário, queixa-se do tratamento frio e tirano, das injustas reprimendas – como a do episódio da porta trancada, em que Kafka fora trancado do lado de fora da casa apenas por ter chorado pedindo água durante a noite –, das regras estipuladas que só serviam para o filho, não para o pai: “Por causa disso o mundo foi dividido em três partes para mim, uma onde eu, o escravo, vivia sob leis que tinham sido inventadas só para mim e às quais, além disso, não sabia por que, eu nunca podia corresponder plenamente; depois, um segundo mundo, infinitamente distante do meu, no qual tu vivias, ocupado em governar, dar ordem e te irritares com o não-cumprimento delas; e finalmente um terceiro mundo, no qual as outras pessoas viviam felizes e livres de ordem e obediência.”
Kafka também revela que em sua obra, até aquele momento ainda não conhecida e formada por poucos títulos publicados, perpassava a figura paterna: “Minha atividade de escritor tratava de ti, nela eu apenas me queixava daquilo que não podia me queixar junto ao teu peito.” Entre as narrativas desse período, a mais representativa, sem dúvida, é A metamorfose, cujo protagonista, transformado num inseto, tinha problemas com seu genitor. O veredicto também é exemplar.
“Nenhuma palavra de contestação!” era uma das frases mais utilizadas por Hermann para marcar sua autoridade sobre Franz. O filho, no entanto, em sua carta, desobedeceu ao pai pela primeira vez. O texto, entretanto, não foi entregue. Segundo Marcelo Backes, que traduziu a carta para a edição da L&PM Pockets, os motivos disso nunca foram claros. “Se por ventura achou que ele de fato não se interessaria por ela ou se passou a duvidar do valor documental do manuscrito, ficará sendo um mistério.”
Se as palavras de Kafka não chegaram ao seu pai, pelo menos chegaram até nós, seus admiradores e filhos literários.  

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Um toque

Chuva, café, música clássica e leitura. Daqui a pouco, o cachimbo. Combinação quase perfeita para uma manhã de dezembro, já de férias, final de ano, final de um péssimo ano. Os dedos escorrem pelas teclas com aquela necessidade de escrever algo. Não quero, porém, fazer nenhum balanço de final de ano como costumava fazer. As coisas ruins suplantaram as boas, peso maior para a morte trágica do meu pai, cujo rosto pude tocar pela última vez há pouco mais de dois meses. Os dedos continuam tateando o teclado. Há pouco estava lendo o romance O inverno e depois, de Luiz Antonio de Assis Brasil, editado pela L&PM. O protagonista, Julius, é um violoncelista, que tateia as cordas buscando o som perfeito, que toca no seu instrumento entre as pernas (o violoncelo, que fique claro) como se tocasse as curvas do corpo de uma mulher, que toca os cobertores que o protegem do frio do pampa, que toca o corpo das mulheres (Klarika, Constanza) como se tocasse seu cello. O toque é a preliminar do prazer…