Avançar para o conteúdo principal

Minha homenagem ao centenário de Cortázar

100 anos do Grande Cronópio

A obra do argentino Julio Cortázar nos conquista ao estilo de “Casa tomada”, um dos seus mais importantes contos. Nele, um casal de irmãos vê sua residência sendo invadida cômodo por cômodo, não se sabe exatamente por quem. O leitor se sente invadido como essas duas personagens ao ler Cortázar. Começamos com um conto, depois outro, após lemos os inclassificáveis textos dos cronópios, passamos por seus poemas, romances, cartas e, quando menos esperamos, nosso corpo está tomado de Cortázar, deixamos de ser nós mesmos para nos transformarmos numa espécie de anfíbio chamado axolote, num motoqueiro na cama de um hospital que sonha ser um ameríndio de séculos atrás e que por sua vez sonha estar dirigindo numa espécie de inseto veloz sobre rodas, ou então saímos vomitando coelhos, ou, talvez pior, vemos tigres caminhando pelos cômodos de nossa casa, enfim, nos metamorfoseamos em personagens cortazarianas.
Julio Cortázar dizia que, na nossa realidade, há sempre um mistério a ser descoberto. As histórias fantásticas e aparentemente fantasiosas que escreveu guardam essa perspectiva. O tempo parece passar de modo diferente no subterrâneo do metrô e, quando voltamos à superfície, podemos nos deparar com outra realidade. Numa ponte, misteriosamente podemos estar em Buenos Aires e nos transportamos para Budapeste. Vindos de portas escondidas atrás de armários em hotéis de qualquer cidade, pode-se ouvir sons estranhos e perturbadores. Cerimônias secretas podem acontecer numa escola durante a madrugada. Ao olhar as fotos de uma viagem, podemos ter uma surpresa não muito agradável. Um engarrafamento no trânsito pode durar semanas. Um bombom de licor feito por uma namorada pode não conter licor dentro. E você, leitor, pode estar lendo um romance em que há um assassino que vai matar alguém, e esse alguém é você mesmo.
Cortázar nos convida a jogar com ele, pulando as “casinhas” do jogo da amarelinha, apostando em uma loteria cujo prêmio é um cruzeiro de navio, lutando boxe, criando anagramas e palíndromos. Jogar com esse jovem que nasceu há exatos 100 anos é uma diversão fascinante. Vamos jogar juntos?

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …