Avançar para o conteúdo principal

Das "Notas confessionais de um angustiado"

Trecho do meu trabalho de dissertação (http://btd.unisc.br/Dissertacoes/CassioneiPetry.pdf) sobre a elaboração do romance "Os óculos de Paula": 


Em um trecho do conto “O lago dos peixes dourados e outras histórias”, da coletânea Fumaças e espelhos, Neil Gaiman escreve: 

A pergunta irritante que nos fazem – a nós, escritores – é: – De onde você tira suas ideias?
E a resposta é: confluência. As coisas se juntam. Os ingredientes certos e, de repente: Abracadabra! (2004, p.75).

É uma das melhores respostas e a que mais se relaciona com o meu romance. A partir do título, as coisas vão se juntando até formar o eixo da história. Como escreveu Rollo May (1982), é como se a ideia saltasse do inconsciente. Depois, com o desenrolar do nó inicial, novas ideias vão sendo agregadas, mas sem se perder o foco nas personagens principais.
Escrever sobre o ato de escrever é um dos temas do romance. O ateísmo, que em princípio parece ser o assunto principal, é um disfarce para distrair o leitor. O romance não é sobre o ateísmo, em que pese ele estar presente em boa parte da história, muito menos é uma defesa dos ateus, pois seria um romance panfletário.
Busco um romance fora das convenções, pois ele mistura ficção, ensaios, crônicas, postagem de blogue, etc.
 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …

Escrevo no Amálgama sobre "A montanha mágica"