Das "Notas confessionais de um angustiado"

Trecho do meu trabalho de dissertação (http://btd.unisc.br/Dissertacoes/CassioneiPetry.pdf) sobre a elaboração do romance "Os óculos de Paula": 


Em um trecho do conto “O lago dos peixes dourados e outras histórias”, da coletânea Fumaças e espelhos, Neil Gaiman escreve: 

A pergunta irritante que nos fazem – a nós, escritores – é: – De onde você tira suas ideias?
E a resposta é: confluência. As coisas se juntam. Os ingredientes certos e, de repente: Abracadabra! (2004, p.75).

É uma das melhores respostas e a que mais se relaciona com o meu romance. A partir do título, as coisas vão se juntando até formar o eixo da história. Como escreveu Rollo May (1982), é como se a ideia saltasse do inconsciente. Depois, com o desenrolar do nó inicial, novas ideias vão sendo agregadas, mas sem se perder o foco nas personagens principais.
Escrever sobre o ato de escrever é um dos temas do romance. O ateísmo, que em princípio parece ser o assunto principal, é um disfarce para distrair o leitor. O romance não é sobre o ateísmo, em que pese ele estar presente em boa parte da história, muito menos é uma defesa dos ateus, pois seria um romance panfletário.
Busco um romance fora das convenções, pois ele mistura ficção, ensaios, crônicas, postagem de blogue, etc.
 

Comentários