Avançar para o conteúdo principal

Bauman foi mais esperto (XVI)

Querido diário:

A leitura de meus artigos de opinião, ensaios e crônicas, se publicadas algum dia em um livro, demonstrará um sujeito incoerente. No entanto, não sou eu o incoerente: o mundo o é.
*
Evitei olhar os vídeos do terremoto no Nepal, com exceção de um que mostrava uma piscina balançando e transbordando como se fosse uma bacia com água transportada por braços vacilantes.
*
Entendo os jovens que reclamam da TV por assinatura. Mas velhos como eu que nos anos 80 tinham só Globo, Band, SBT e Manchete pra assistir?
*
O corvo do Edgar Allan Poe existe!
*
Esse é o meu país, em que a escola é chata, precisa mudar, os professores precisam se atualizar, se adaptar ao mundo da criança e do adolescente, trazer a realidade deles para a sala de aula e tornar as aulas mais atrativas. Essa é a realidade de muitas crianças hoje, então, vamos "quicar".
Preciso dizer que estou sendo irônico?
*
Assisti a alguns vídeos de pseudo funk há pouco. Além da vulgarização do corpo da mulher e o uso indiscriminado de palavrões e expressões relacionadas ao sexo (sem contar a exploração infantil no vídeo que compartilhei antes), há muita incitação à violência. Por exemplo, um grupo de mulheres chamado "Jaula das gostozudas" tem uma letra que diz que vão matar a mulher que pegou o marido da outra. Acontece que uma ex-integrante do grupo foi morta pelo namorado depois de traí-lo. Coincidência ou consequência do incentivo a atos violentos? Até quando vamos ser coniventes com essas barbaridades em nome do "relativismo cultural" e de uma falsa "liberdade de expressão"?
*
Escrevendo a orelha do novo livro de um poeta que admiro, parceiro de leituras de longa data.
*
No site do jornal “O Globo” foi reproduzida uma postagem minha do twitter com um baita erro de português. O “tuíte” também repercutiu em outros sites, junto com outros perfis que também comentaram ironicamente a tentativa de explicação do terremoto do Nepal num culto no Templo de Salomão da Igreja Universal. Que azar, logo quando um comentário meu repercute, ele está errado! Escrevi: “A Igreja Universal vai ministrará curso de sismologia no Templo de Salomão e explicará o que aconteceu no Nepal.

Comentários

charlles campos disse…
Na verdade ñ foi erro, mas uma superposição de raciocínio em que se esqueceu de apagar a palavra trocada. E que corvo mais esquisito...
Cassionei Petry disse…
Não deixa de ser um erro imperdoável e um azar. Quanto ao corvo, vi outros vídeos de corvos. Bicho curioso.
Thiago Alvez disse…
O vídeo daquele moleque vomitando aqueles impropérios é o fim, aquela frase do Brás Cubas quando diz que não teve filhos e que não legou a nenhuma criatura o legado de nossa miséria cabe perfeitamente.

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …