Avançar para o conteúdo principal

Bauman foi mais esperto (XVI)

Querido diário:

A leitura de meus artigos de opinião, ensaios e crônicas, se publicadas algum dia em um livro, demonstrará um sujeito incoerente. No entanto, não sou eu o incoerente: o mundo o é.
*
Evitei olhar os vídeos do terremoto no Nepal, com exceção de um que mostrava uma piscina balançando e transbordando como se fosse uma bacia com água transportada por braços vacilantes.
*
Entendo os jovens que reclamam da TV por assinatura. Mas velhos como eu que nos anos 80 tinham só Globo, Band, SBT e Manchete pra assistir?
*
O corvo do Edgar Allan Poe existe!
*
Esse é o meu país, em que a escola é chata, precisa mudar, os professores precisam se atualizar, se adaptar ao mundo da criança e do adolescente, trazer a realidade deles para a sala de aula e tornar as aulas mais atrativas. Essa é a realidade de muitas crianças hoje, então, vamos "quicar".
Preciso dizer que estou sendo irônico?
*
Assisti a alguns vídeos de pseudo funk há pouco. Além da vulgarização do corpo da mulher e o uso indiscriminado de palavrões e expressões relacionadas ao sexo (sem contar a exploração infantil no vídeo que compartilhei antes), há muita incitação à violência. Por exemplo, um grupo de mulheres chamado "Jaula das gostozudas" tem uma letra que diz que vão matar a mulher que pegou o marido da outra. Acontece que uma ex-integrante do grupo foi morta pelo namorado depois de traí-lo. Coincidência ou consequência do incentivo a atos violentos? Até quando vamos ser coniventes com essas barbaridades em nome do "relativismo cultural" e de uma falsa "liberdade de expressão"?
*
Escrevendo a orelha do novo livro de um poeta que admiro, parceiro de leituras de longa data.
*
No site do jornal “O Globo” foi reproduzida uma postagem minha do twitter com um baita erro de português. O “tuíte” também repercutiu em outros sites, junto com outros perfis que também comentaram ironicamente a tentativa de explicação do terremoto do Nepal num culto no Templo de Salomão da Igreja Universal. Que azar, logo quando um comentário meu repercute, ele está errado! Escrevi: “A Igreja Universal vai ministrará curso de sismologia no Templo de Salomão e explicará o que aconteceu no Nepal.

Comentários

charlles campos disse…
Na verdade ñ foi erro, mas uma superposição de raciocínio em que se esqueceu de apagar a palavra trocada. E que corvo mais esquisito...
Cassionei Petry disse…
Não deixa de ser um erro imperdoável e um azar. Quanto ao corvo, vi outros vídeos de corvos. Bicho curioso.
Thiago Alvez disse…
O vídeo daquele moleque vomitando aqueles impropérios é o fim, aquela frase do Brás Cubas quando diz que não teve filhos e que não legou a nenhuma criatura o legado de nossa miséria cabe perfeitamente.

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Um toque

Chuva, café, música clássica e leitura. Daqui a pouco, o cachimbo. Combinação quase perfeita para uma manhã de dezembro, já de férias, final de ano, final de um péssimo ano. Os dedos escorrem pelas teclas com aquela necessidade de escrever algo. Não quero, porém, fazer nenhum balanço de final de ano como costumava fazer. As coisas ruins suplantaram as boas, peso maior para a morte trágica do meu pai, cujo rosto pude tocar pela última vez há pouco mais de dois meses. Os dedos continuam tateando o teclado. Há pouco estava lendo o romance O inverno e depois, de Luiz Antonio de Assis Brasil, editado pela L&PM. O protagonista, Julius, é um violoncelista, que tateia as cordas buscando o som perfeito, que toca no seu instrumento entre as pernas (o violoncelo, que fique claro) como se tocasse as curvas do corpo de uma mulher, que toca os cobertores que o protegem do frio do pampa, que toca o corpo das mulheres (Klarika, Constanza) como se tocasse seu cello. O toque é a preliminar do prazer…