Avançar para o conteúdo principal

O gozo do assassino



“A vida se transformara em viver as ilusões alheias”, diz o narrador do conto “Não morto, apenas dormindo”. Somos, a partir daí, transportados para mundo do ilusionista Gustavo Melo Czekster, vivenciando situações absurdas, diálogos insólitos, fatos estranhos. Não há amanhã (Editora Zouk, 160 páginas) é o segundo livros de contos do autor, porém não parece. A mão segura de Gustavo denota uma obra bem acabada, quase perfeita, de um sujeito extremamente experiente. Acontece que ele demorou para publicar essa nova obra, lapidando o texto. O resultado está aí.
“O livro pede para ser aberto, sorvido”, diz o protagonista de “O silêncio”. Diferentemente do personagem, no entanto, não resisti a sua súplica, não contive a curiosidade e me arremessei, aderindo à seita descoberta pelo narrador de “Os que se arremessam”, formada por pessoas que se jogam na vida, literalmente falando: na frente de carros, do alto de um edifício, do alto de cachoeiras. O leitor, incauto, demora para perceber que também faz parte disso, afinal se atira na leitura, assim como o texto cai com todo seu peso sobre quem o lê: “talvez todas as histórias, em sua essência, sejam formas de se jogar em alguém”.
Imagine você ver não um duplo, mas vários símiles seus. É o que acontece com a protagonista de “Os problemas de ser Cláudia”, quando chega em casa, preocupada com os afazeres domésticos e se depara com uma cópia sua já realizando suas tarefas. Até aí, ô coisa boa! No entanto, outras vão aparecendo, fazendo tudo, tudo mesmo. O que era bom, pode se transformar em algo indesejado. “O inferno era as outras Cláudias”.
Em primeira parte de “Efemeridade”, que se desdobra em mais três variações durante o livro, Paulo, “um porteiro simpático”, sai dando tiros numa praça, acertando em borboletas e crianças, depois de se espantar com um documentário do National Geographic que mostra, ao que parece, o nascimento de seres, provavelmente nós, humanos, podendo, no entanto, ser outro animal: “corpos besuntados livrando-se da quente prisão, o espanto de quem enxerga o mundo pela primeira vez, membros desconexos encontrando funcionalidade”. Bebês ou adultos se livrando da Matrix? Esse e outros contos, na verdade todos os demais, tratam do sentido da existência, pois sentido é a palavra-chave da obra, presente em dois títulos e mencionada por alguns personagens.
Qual o sentido da criação artística? “Cinco (ou infinitos) fragmentos em busca de”, cujo enredo glosa, como se percebe pelo título, Luigi Pirandello, e “Mas não falam” são exemplos metalinguísticos da obra. Este último trata de um escritor recluso que aceita a proposta do editor para realizar palestras sobre sua obra, porém com a condição de que sejam em cidades pequenas, fora dos grandes centros culturais. Quando se depara com o público que espera para assisti-lo, ele, o editor e nós, leitores, somos surpreendidos. Em “Um outro sentido”, Gustavo se torna um personagem, odiado por uma blogueira por ter se recusado a ceder uma entrevista. Ela acaba considerando o próprio livro Não há amanhã como “uma excrescência”, “objeto de puro asco”, “uma declaração de ódio à Literatura”. Seus planos, porém, vão além de apenas criticar a obra e o autor.

“Não existe texto inocente, o que implica em dizer que todo texto é um crime passional”, diz o narrador e protagonista de outro conto fenomenal. Gustavo Melo Czekster segue perpetuando crimes, inspirado por Poe, Kafka, Borges e outros criminosos. O leitor, por sua vez, achando que é um cúmplice, na verdade é a vítima, que não percebe que tomou, pelas mãos do ilusionista, um cálice de veneno. O efeito não é imediato. Mas esse é o gozo do assassino: ver sua vítima sucumbindo aos poucos, pelo menos não antes da última palavra lida. Adivinha qual é essa palavra?

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Um toque

Chuva, café, música clássica e leitura. Daqui a pouco, o cachimbo. Combinação quase perfeita para uma manhã de dezembro, já de férias, final de ano, final de um péssimo ano. Os dedos escorrem pelas teclas com aquela necessidade de escrever algo. Não quero, porém, fazer nenhum balanço de final de ano como costumava fazer. As coisas ruins suplantaram as boas, peso maior para a morte trágica do meu pai, cujo rosto pude tocar pela última vez há pouco mais de dois meses. Os dedos continuam tateando o teclado. Há pouco estava lendo o romance O inverno e depois, de Luiz Antonio de Assis Brasil, editado pela L&PM. O protagonista, Julius, é um violoncelista, que tateia as cordas buscando o som perfeito, que toca no seu instrumento entre as pernas (o violoncelo, que fique claro) como se tocasse as curvas do corpo de uma mulher, que toca os cobertores que o protegem do frio do pampa, que toca o corpo das mulheres (Klarika, Constanza) como se tocasse seu cello. O toque é a preliminar do prazer…