Avançar para o conteúdo principal

O gozo do assassino



“A vida se transformara em viver as ilusões alheias”, diz o narrador do conto “Não morto, apenas dormindo”. Somos, a partir daí, transportados para mundo do ilusionista Gustavo Melo Czekster, vivenciando situações absurdas, diálogos insólitos, fatos estranhos. Não há amanhã (Editora Zouk, 160 páginas) é o segundo livros de contos do autor, porém não parece. A mão segura de Gustavo denota uma obra bem acabada, quase perfeita, de um sujeito extremamente experiente. Acontece que ele demorou para publicar essa nova obra, lapidando o texto. O resultado está aí.
“O livro pede para ser aberto, sorvido”, diz o protagonista de “O silêncio”. Diferentemente do personagem, no entanto, não resisti a sua súplica, não contive a curiosidade e me arremessei, aderindo à seita descoberta pelo narrador de “Os que se arremessam”, formada por pessoas que se jogam na vida, literalmente falando: na frente de carros, do alto de um edifício, do alto de cachoeiras. O leitor, incauto, demora para perceber que também faz parte disso, afinal se atira na leitura, assim como o texto cai com todo seu peso sobre quem o lê: “talvez todas as histórias, em sua essência, sejam formas de se jogar em alguém”.
Imagine você ver não um duplo, mas vários símiles seus. É o que acontece com a protagonista de “Os problemas de ser Cláudia”, quando chega em casa, preocupada com os afazeres domésticos e se depara com uma cópia sua já realizando suas tarefas. Até aí, ô coisa boa! No entanto, outras vão aparecendo, fazendo tudo, tudo mesmo. O que era bom, pode se transformar em algo indesejado. “O inferno era as outras Cláudias”.
Em primeira parte de “Efemeridade”, que se desdobra em mais três variações durante o livro, Paulo, “um porteiro simpático”, sai dando tiros numa praça, acertando em borboletas e crianças, depois de se espantar com um documentário do National Geographic que mostra, ao que parece, o nascimento de seres, provavelmente nós, humanos, podendo, no entanto, ser outro animal: “corpos besuntados livrando-se da quente prisão, o espanto de quem enxerga o mundo pela primeira vez, membros desconexos encontrando funcionalidade”. Bebês ou adultos se livrando da Matrix? Esse e outros contos, na verdade todos os demais, tratam do sentido da existência, pois sentido é a palavra-chave da obra, presente em dois títulos e mencionada por alguns personagens.
Qual o sentido da criação artística? “Cinco (ou infinitos) fragmentos em busca de”, cujo enredo glosa, como se percebe pelo título, Luigi Pirandello, e “Mas não falam” são exemplos metalinguísticos da obra. Este último trata de um escritor recluso que aceita a proposta do editor para realizar palestras sobre sua obra, porém com a condição de que sejam em cidades pequenas, fora dos grandes centros culturais. Quando se depara com o público que espera para assisti-lo, ele, o editor e nós, leitores, somos surpreendidos. Em “Um outro sentido”, Gustavo se torna um personagem, odiado por uma blogueira por ter se recusado a ceder uma entrevista. Ela acaba considerando o próprio livro Não há amanhã como “uma excrescência”, “objeto de puro asco”, “uma declaração de ódio à Literatura”. Seus planos, porém, vão além de apenas criticar a obra e o autor.

“Não existe texto inocente, o que implica em dizer que todo texto é um crime passional”, diz o narrador e protagonista de outro conto fenomenal. Gustavo Melo Czekster segue perpetuando crimes, inspirado por Poe, Kafka, Borges e outros criminosos. O leitor, por sua vez, achando que é um cúmplice, na verdade é a vítima, que não percebe que tomou, pelas mãos do ilusionista, um cálice de veneno. O efeito não é imediato. Mas esse é o gozo do assassino: ver sua vítima sucumbindo aos poucos, pelo menos não antes da última palavra lida. Adivinha qual é essa palavra?

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …