Avançar para o conteúdo principal

Resenhas sobre obras de Machado de Assis - II

De louco todos temos um pouco

Na capa de O alienista, numa antiga edição da editora Ática, o dedo acusador do personagem principal aponta para o leitor como se dissesse: “você é o louco; é você que quero prender nessa casa.” É o que acontece com a leitura desse conto longo, quase uma novela, a qual coloco ao lado de outras “pequenas grandes” obras da literatura universal, como A metamorfose, de Kafka; A morte de Ivan Ilich, de Tolstói; A volta do parafuso, de Henry James; Dr. Jekyll e Mr. Hyde, de Stevenson e Bartleby,o escrivão, de Melville. Machado de Assis, nosso maior escritor, nos prende na sua narrativa e deixa uma dúvida no ar: será que somos loucos também?
O conto, publicado primeiramente na coletânea Papéis avulsos, de 1882, relata a história de Simão Bacamarte, médico psiquiatra que ergue, na pequena cidade de Itaguaí do século XIX, um hospício que recebe o nome de Casa Verde, com intuito de estudar as causas e sintomas dos problemas mentais. Recolhe uma e outra pessoa, até que quase toda a população acaba sendo internada: “A loucura, objeto dos meus estudos, era até agora uma ilha perdida no oceano da razão; começo a suspeitar que é um continente”, diz o médico. Sua atitude provoca uma rebelião na antes pacata cidade, levando ao poder o barbeiro que lidera os rebeldes, sendo logo depois destituído pelos militares. Ciência, poder e religião são discutidos durante toda a narrativa, mostrando que a razão pode sucumbir quando queremos impor nossa verdade.
Mesmo antes dos estudos psicanalíticos de Freud, Machado de Assis fez questão de colocar uma casa como centro do enredo, pois ela é um dos símbolos do nosso inconsciente. Especificamente, representa nossa proteção e suas dependências simbolizam os desvãos de nossa mente. Poder-se-ia dizer que se jogavam os loucos dentro de um hospício para proteger a sociedade. Mas em O alienista é diferente: na verdade é o louco que deve ser protegido de uma sociedade mais louca ainda. Como afirmou certa vez o cineasta japonês Akira Kurosawa: “Num mundo louco, apenas os loucos são sãos.”
Se pensarmos em diferentes sinônimos para a palavra louco, veremos que todos temos um pouco dessa “doença”. Lunático, por exemplo, seria aquele que vive no mundo da lua. Alienado é o que é desligado das coisas, como se vivesse num outro mundo, ou seja, um alienígena. Alucinado é o que vive fascinado com as coisas ao seu redor, vive sempre delirando, imaginando coisas, ou ainda o que perde a razão por amor. Insensato é o que perde o bom senso, como muitas pessoas atrás do volante de um carro. Desmiolado é o desprovido de cérebro (lembram dos filmes de mortos-vivos?), como algumas pessoas que assistem a determinados programas televisivos ou escutam determinados tipos de música. Anormal é aquele que foge do normal, como um professor que resolve declamar uma poesia em altos brados dentro de uma sala de aula (eu, por exemplo, sou chamado de louco por causa disso).
Poderia citar uma porção de significados nos quais cada um de nós se encaixa. Talvez por issoextinguiram os manicômios espalhados pelo país, pois de louco todos temos um pouco. Em outras palavras, o normal é ser anormal. Recentemente, o gaúcho Moacyr Scliar escreveu O mistério da Casa Verde (Editora Ática, 88 páginas) uma história infanto-juvenil baseada em O alienista, e que desperta o leitor jovem para ler o clássico no original.Em determinada passagem, um personagem que dizia ser Simão Bacamarte afirma: “...o lugar de loucos, como vós, é lá fora. O mundo é um hospício, o vosso hospício.”

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Um toque

Chuva, café, música clássica e leitura. Daqui a pouco, o cachimbo. Combinação quase perfeita para uma manhã de dezembro, já de férias, final de ano, final de um péssimo ano. Os dedos escorrem pelas teclas com aquela necessidade de escrever algo. Não quero, porém, fazer nenhum balanço de final de ano como costumava fazer. As coisas ruins suplantaram as boas, peso maior para a morte trágica do meu pai, cujo rosto pude tocar pela última vez há pouco mais de dois meses. Os dedos continuam tateando o teclado. Há pouco estava lendo o romance O inverno e depois, de Luiz Antonio de Assis Brasil, editado pela L&PM. O protagonista, Julius, é um violoncelista, que tateia as cordas buscando o som perfeito, que toca no seu instrumento entre as pernas (o violoncelo, que fique claro) como se tocasse as curvas do corpo de uma mulher, que toca os cobertores que o protegem do frio do pampa, que toca o corpo das mulheres (Klarika, Constanza) como se tocasse seu cello. O toque é a preliminar do prazer…