Avançar para o conteúdo principal

Fenômeno?


O Brasil lamenta, se comove, chora, pois o Ronaldo parou de jogar. O motivo foi por não poder controlar seu corpo depois de tantas cirurgias, além de um problema de saúde que o levou a engordar. Não deveria parar, é o que a maioria das pessoas fala, pois ele poderia dar ainda muitas alegrias ao povo brasileiro.

O engraçado disso tudo: há algumas semanas foi noticiado que o estado de São Paulo estava impedindo professores aprovados em concurso público de assumirem suas funções justamente por estarem acima do peso. Isso mesmo. Segundo os médicos, obesidade é doença, logo, nenhum gordo pode assumir cargos no funcionalismo público. Os brasileiros lamentaram o fato? Opinaram que os professores, mesmo obesos, podem dar muitas alegrias ainda ao povo brasileiro? Quantos brasileiros sabem dessa notícia, se ela nem foi manchete dos jornais?

O futebol é um dos exemplos mais flagrantes da inversão de valores no mundo todo, principalmente no Brasil. Dá-se mais importância ao seu time “do coração” do que à própria família. Indignam-se com os jogadores que não estão jogando bem, mas não fazem os mesmos protestos contra os políticos que não governam bem. Gastam seu dinheiro com o ingresso dos jogos, mas não leem porque o livro é muito caro. As meninas gritam histericamente pelo jogador galã, mas ignoram o garoto estudioso da turma, a não ser se precisam de uma cola na prova. Choram com a despedida do craque gordo, mas dão risadas da professora obesa quando ela quebra a cadeira ao se sentar.

Ronaldo foi chamado de fenômeno. Saber driblar, fazer muitos gols, tudo isso desde jovem, justifica ser chamado de fenômeno? Fenômeno é o trabalhador comum, que acorda cedo, se esforça o dia todo, chega cansado em casa, depois de contribuir com seu trabalho para o engrandecimento da nação e ainda tem de se contentar com o mísero salário no fim do mês. E, mesmo cansado, com dores no corpo, muitas vezes com a saúde debilitada, não pode se aposentar tão cedo, afinal não sobra nada no fim do mês para depositar no banco.

Fenômeno é quem leu o texto até aqui, mesmo discordando do autor, e não pulou diretamente para algum site esportes.

Comentários

Fernando Prates disse…
Cassionei, mais uma vez um belo texto. Como você faz para separar seus textos por tema e disponibilizá-los em links? Um abraço!
Cassionei Petry disse…
Obrigado, Fernando.
Se entendi sua pergunta, vai no adicionar gadget e procure marcadores, assim como você adicionou os seguidores.
Abraço.
Eis uma brasileira q acha Ronaldo um feio gordo, e q não lamenta sua aposentadoria, mas q sendo professora desempregada gostaria de um dia, por estar acima do peso, se aposentar com o mesmo salário q ele, e q além disso, gostaria de estar na mídia por ser um fenomeno da educação. Esqueçamos os delirios da sertaneja aqui!

Boa crítica!

abraços
Cassionei Petry disse…
Bom comentário também. Abraço.
Natanael disse…
Educação quem são vocês para falar sobre educação? Paula professora? Ministra? noq vc contribui para a educação! Feia e você e mau amada que perde tempo criticando uma alegria momentanea q o brasileiro tem com o futebol, melhor ver o lado bom da coisa do q viver se lamentando por um pais hipocrita com piliticos safados! se não gosto guarde seu comentario pra você, pois aos brasileiros você é so mais uma a querer ser diferente!
Cassionei Petry disse…
Calma, Natanael, calma...

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …