Avançar para o conteúdo principal

A falta


Palavras. Moacyr Scliar as tinha de sobra. A mim, nesse momento, elas faltam. Mas preciso escrever.

Poderia analisar a obra do escritor. Dezenas de livros, crônicas em jornais e revistas, uma produção grande em quantidade e qualidade, a qual li quase toda. Sua obra, porém, vai ficar entre nós, e ainda será lida por muito tempo.

Poderia falar sobre o médico. Trabalhou na saúde pública, escreveu vários artigos e livros sobre a área. No entanto, não tenho o conhecimento para avaliar a importância dele nessa profissão.

Poderia comentar o Scliar judeu. Foi um grande divulgador da cultura judaica no RS, tanto na temática da sua ficção, como nos ensaios e entrevistas, mesmo não tendo crença religiosa. Mas também não sou capacitado para isso.

Poderia relembrar as histórias contadas por ele em diversas palestras, como a do seu pai que, ao chegar ao Brasil vindo da Rússia, comeu a casca de uma banana e jogou fora o resto pensando que fosse o caroço. Entretanto, quem está lendo este texto já deve conhecê-las.

Poderia falar sobre o imortal. Dono da cadeira 31 da Academia Brasileira de Letras, sua eleição foi amplamente apoiada pelos gaúchos numa mobilização inédita. Desconheço, porém, como foi sua atividade entre os acadêmicos.

Gostaria de escrever, na verdade, sobre o mestre. Assim como eu, muitos aspirantes a escritor encontraram em Moacyr Scliar um raro interlocutor. Não deixava um e-mail sem ser respondido. Lia e elogiava as produções daqueles que viam nele um exemplo a ser seguido. Citava em uma de suas colunas no jornal Zero Hora as pessoas com as quais ele trocava mensagens. Dedicava “ao colega” os autógrafos dos seus livros para quem se anunciava como aprendiz de escritor.

Quando mantive contato com o Scliar para que lesse meu livro de contos, ele disse que não poderia, mas que se eu mandasse dois contos os leria com prazer. Mandei o e-mail, porém me esqueci de anexar os textos. Poucos minutos depois, a seguinte mensagem: “e os contos?” Vejam que ser humano! Poderia muito bem deixar por isso mesmo, mas não, fez questão de não deixar o pobre aprendiz na ilusão.

“Sentimos falta de coisas”, escreveu Scliar na crônica “Lacunas”, do livro A massagista japonesa. Sentiremos falta do escritor, do médico, do judeu, do contador de histórias, do imortal. A falta do mestre atencioso, porém, é a lacuna mais difícil de ser preenchida.

Comentários

Mirella disse…
Lamentável. Grande perda.
E minha mãe já veio dizendo que todos que sentam na cadeira do Jorge Amado, morreram. Quem é o próximo? Como não ligo para essas coisas, não confirmei esses dados de cadeiras, mas lá vai...
Cassionei Petry disse…
A cadeira do Jorge Amado era a 23, não a 31.
Gelso Job disse…
Perdemos alguém de uma generosidade rara e que sabia como ninguém incentivar novos talentos.
Cassionei Petry disse…
Pois é. Obrigado pelo comentário, Gelso.
De fato faltam palavras. Grande perda literária. ainda teria muito a produzir.
Roberto C. Belli disse…
Lamento nunca ter escrito para Moacyr Scliar. Mas minha sensação é de que ele escrevia para mim. Os textos de ficção infantojuvenil têm tanta força e sensibilidade quanto os da literatura adulta. Sabia navegar entre as sutis diferenças das palavras para faixas etárias. Sensibilidade de um grande escritor que vai permanecer entre nós ensinando-nos.
Cassionei Petry disse…
Obrigado, Paula e Roberto, pelos comentários.
Iuri disse…
Confesso que Scliar nunca foi um dos meus escritores prediletos. Li poucos romances completos dele e estou me propondo a ler obras deixadas pra trás (O O exército de um homem só, por exemplo). Mas o lia bastante pelas crônicas, principalmente as publicadas em todos os cantos de ZH. Mesmo as crônicas de jornal, preferia a de outros caras, embora admirando suas informações e raciocínios. Às vezes o achava por demais "em cima do muro", zeloso em "não ferir suscetibilidades". Mas não tenho dúvida que é uma perda de um baita intelectual brasileiro e gente boa, como pude comprovar "ao vivo" nas vezes que o assisti palestrando em eventos.
Anónimo disse…
Grande perda.Scliar é um dos meus escritores prediletos,tenho 16 anos e só de ter lido alguns contos e um livro juvenil apaixonei-me pela forma que escrevia,tão simples e tão encantadora.

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …