Avançar para o conteúdo principal

Textículos (IX)


33

Tinha um nome bastante incomum, talvez único. Dizia que, se soubesse da existência de um homônimo, o chamaria para um duelo, pois o mundo é pequeno demais para duas pessoas com esse nome.

Pois existia outro, que pensava a mesma coisa.

O enterro será hoje, dia 2 de agosto, às 3h30 da tarde.

Comentários

charlles campos disse…
Hahahaha. De sua autoria?
Cassionei Petry disse…
Sim, a série Textículos sou eu que escrevo.
charlles campos disse…
Gostei muito. Lembrou-me All Along the Watchtower, e das incríveis citações que encerram os capítulos de Watchmen. Esse textículo poderia ser incluído lá facilment.
Cassionei Petry disse…
Obrigado. Mais não posso falar sobre o meu textículo, há sub-textos aí que se completarão com outras partes do meus escritos, que vão aparecer aos poucos durante o ano.

Mensagens populares deste blogue

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …

Escrevo no Amálgama sobre "A montanha mágica"