Avançar para o conteúdo principal

Mulheres


Desde pequeno, vivo rodeado de mulheres. Cedo meus pais se separaram, eu convivi em casa apenas com minha mãe, Aleir, a pedra fundamental da construção do que sou, e minha irmã, a Cassiane, tendo junto a saudosa figura da minha avó materna, Maria Celina. Hoje, minha avó paterna, a Idinha, com seus mais de 90 anos de idade, é um exemplo de vida. Entraram ainda no meu mundo familiar as minhas irmãs por parte de pai: a Pâmela, a Cris e a Daiane.
Fiquei durante muito tempo sob os cuidados, quando minha mãe tinha que trabalhar, das minhas tias, a Adelira, Arajane e a Alenice, e depois da Dona Glaci e suas filhas. Quando entrei na escola, as professoras Maria Geci, Denise, Odeti e Doraci me conduziram muito bem pelas séries iniciais e, ainda por cima, as duas primeiras diretoras que tive foram .... e Ana Marli. Nas séries seguintes, outras professoras foram deixando em mim suas marcas.
Em 1994, conheci a mulher que mudaria minha vida, me ampararia e me deixaria feliz. A Deise foi decisiva para eu me centrar nas preocupações do dia-a-dia. Juntos amadurecemos e criamos uma família, no momento em que nasceu outra pessoa do sexo feminino para iluminar meu caminho: a minha filha Milena. Como se não bastasse, a Deise me proporcionou uma sogra maravilhosa, a Maria Ludmila.
Outras mulheres cruzaram pelo meu caminho na universidade: as professoras e as colegas do Curso de Letras, um lugar sempre dominado por elas. Hoje, trabalhando, tenho como colegas mulheres valorosas, professoras, orientadoras, supervisoras e vice-diretoras e, de quebra, muitas alunas cujo caminho trilhado está sendo construído com minha ajuda.
Para repetir o chavão, sem as mulheres, nós, homens, não vivemos. Sem elas, não somos nada. Com elas, somos felizes.

Comentários

charlles campos disse…
Cê teve sorte então de não virar o pavio. Hehehehe.
Cassionei Petry disse…
Hehe. Esqueci uma porção de mulheres aí, principalmente as ex-namoradas...
Fabiano Felten disse…
Bela homenagem para este dia, Cassionei.

Abraço,
Fabiano.
Cassionei Petry disse…
Obrigadi, Fabiano. A Aninha está citada indiretamente aí.
Talvez o seu ateísmo se explique, caro amigo, pela falta masculina quase que absoluta em sua vida. Assim como na vida de tantos ateus por aí como Marx, Nietzsche, Freud, Benedito Nunes ou Feuerbach, eles renegaram a Deus, pois foram de alguma forma renegados por seus genitores varões.
Anónimo disse…
Bonita homenagem Cassionei. Muito obrigada, em nome de todas nós.
P.S. É impressionante mesmo o quanto a leitura é subjetiva. Podemos ler até o que não está escrito. Eu, por exemplo, jamais teria capacidade de inferir que alguém que escreve um texto homenageando mulheres não tenha tido a presença da figura masculina em sua vida. Aliás, eu imaginaria sim que esta pessoa deve ter tido bons exemplos advindos dos homens...
Abraço.
Aninha
Índia disse…
O homem sempre tem ternas e excelentes referências femininas. A mulher é um presente da natureza, digo não porque sou mulher, mas porque sinto isso e não há nada de feminista no meu pensamento.
Na verdade, homem e mulher são interdependentes, "complementares". Um dia todos entenderão que sexo é uma questão secundária.
Cassionei Petry disse…
João, conclusão precipitada e sem justificativa nenhuma. Primeiro, não disse que não tenho presença masculina na minha formação, tampouco meu pai me abandonou. Além disso, acredito que uma família com mais presença feminina tem a tendência de levar o indíviduo à religião. Muito equivocado teu comentário.
Aninha e Índia, obrigado por comentarem.
Minha conclusão foi cauta, caríssimo, porque na fronteira do "talvez". Outras causas levam ao ateísmo, não apenas a ausência ou rara (no seu caso) permanência da figura do pai na criação de um ser humano. Ademais, não absolutizei a falta de homens em sua vida, pois escrevi um "quase" em meu comentário.
De qualquer maneira, o ateísmo na história da vida de muitas celebridades como as que citei Marx, o próprio Dr. Freud e outros, só prova a temeridade que é deixar os meninos expostos ad nauseam à excessiva presença de mulheres nas vidas deles.
Cassionei Petry disse…
Continua equivocada tua afirmação.

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …