Avançar para o conteúdo principal

Mudanças no horizonte da educação


Um novo ano letivo iniciou nas escolas estaduais, acompanhado, dessa vez, por mudanças significativas e necessárias no Ensino Médio. A palavra de ordem é mudar. Aliás, é a palavra da moda. É a palavra que não pode ser contestada. Onde já se viu ficarmos estagnados na mesmice ano após ano! É preciso mudança. Quem discorda é porque está atrasado, precisa se reciclar.
Não, não é bem assim. Resistir a algum tipo de mudança não torna a pessoa um conservador insensível. Na verdade, aceitar tão facilmente algo de cima para baixo torna o indivíduo um ser passível, que pensa apenas pelo outros. São necessárias mudanças, sim, mas elas devem ser questionadas quanto a sua aplicação.
Há algum mal, por exemplo, em querer que alguns valores permaneçam? O questionamento feito hoje sobre a indisciplina dos alunos pode ter a reposta justamente nas mudanças ocorridas nas relações comportamentais entre pais e filhos. Não há mais hierarquia e, por isso, o caos está formado. Se o filho não obedece mais aos pais, tampouco obedecerá ao professor. Ora, no lugar de o aluno aceitar a autoridade, é o professor quem deve se “adaptar aos novos tempos” e tentar conquistar o “rebelde” através de recursos modernos e mudanças pedagógicas. Deve-se aceitar isso?
Preocupa-me a ideia de que o professor deva ensinar em sala de aula aquilo que tenha a ver com o mundo do aluno com o intuito de proporcionar-lhe o prazer de ir à escola. Ouvi, por exemplo, no curso promovido pela coordenadoria de educação, que devemos saber o que o aluno quer aprender. Hummm! Pergunte ao seu filho qual sua expectativa para o novo ano letivo. Em 90% dos casos, se ouvirá um “não sei”, “o que vier tá bom” ou “que eu passe de ano”. Em poucos casos, se ouvirá: “quero aprender ou conhecer coisas novas”.
Esse deveria ser o objetivo primordial da escola: proporcionar conhecimentos novos sobre o ser humano e sua contribuição para a humanidade. O que se vê, no entanto, é uma tentativa de tornar a escola tecnicista e voltada tão somente para o mercado de trabalho. Disciplinas como Literatura, Artes, Filosofia e História vão perdendo espaço, sendo que são elas que formam um cidadão consciente, conhecedor do mundo que está tanto a sua volta quanto aquele que está distante. Muitos perguntam: por que ler Machado de Assis? Eu retorno a pergunta: por que não o ler? Posso elencar uma porção de justificativas para sua leitura, mas elas são inúteis quando se tem no horizonte apenas o mundo rotineiro do mercado de trabalho.
Essas mudanças pecam por estreitar cada vez mais o horizonte, na medida em que o mais importante é “colocar o que se aprende na prática”, “aplicar o conhecimento”, sendo que, dessa forma, o ensino tenha um sentido para o aluno. O perigo é que, às vezes, o mundo do aluno é fechado demais.
Paulo Freire, tão citado e pouco lido, escreveu, em Pedagogia da autonomia, que a aula deve ser “um desafio e não uma cantiga de ninar”. Nesse sentido, o professor deve instigar o aluno a conhecer o desconhecido, deve incomodá-lo, tirá-lo da chamada “zona de conforto”. Essa é a verdadeira mudança que deve ocorrer.

Comentários

Tom disse…
Excelente texto, psor! Concordo.
Carlinus disse…
Que baita reflexão, Cassionei!

A cada texto novo você tem se superado.

Muito bom!
Índia disse…
Vou repetir o que foi dito: excelente texto. Penso exatamente assim. Percebo que as escolas estão preocupadas em preparar o aluno para o vestibular, para o mercado. Faixas são expostas com nomes de alunos que passaram em universidade A e B, no entanto, eu, talvez por ingenuidade, percebo jovens no meu dia a dia meio perdidos, despossuídos de uma visão crítica da vida, sem valores, apenas levados pela onda de qualquer coisa sem sentido... É preciso instigar o aluno a PENSAR, filosofar mesmo. A escola e o professor, deveria ter o papel de proporcionar ao aluno, reflexão e não apenas repassar-lhes conteúdos programáticos. Para uma sociedade mais consciente é preciso formar cidadãos mais lúcidos e a educação é a porta para isso. Basta de apenas tabela periódica e cálculos de física e questões e respostas prontas, é preciso abrir a MENTE!

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Um toque

Chuva, café, música clássica e leitura. Daqui a pouco, o cachimbo. Combinação quase perfeita para uma manhã de dezembro, já de férias, final de ano, final de um péssimo ano. Os dedos escorrem pelas teclas com aquela necessidade de escrever algo. Não quero, porém, fazer nenhum balanço de final de ano como costumava fazer. As coisas ruins suplantaram as boas, peso maior para a morte trágica do meu pai, cujo rosto pude tocar pela última vez há pouco mais de dois meses. Os dedos continuam tateando o teclado. Há pouco estava lendo o romance O inverno e depois, de Luiz Antonio de Assis Brasil, editado pela L&PM. O protagonista, Julius, é um violoncelista, que tateia as cordas buscando o som perfeito, que toca no seu instrumento entre as pernas (o violoncelo, que fique claro) como se tocasse as curvas do corpo de uma mulher, que toca os cobertores que o protegem do frio do pampa, que toca o corpo das mulheres (Klarika, Constanza) como se tocasse seu cello. O toque é a preliminar do prazer…