Avançar para o conteúdo principal

Lei de Deus?

Este texto é um pouco antigo, havia saído uma vez no antigo Bule Voador, do Marcelo Esteves, que foi desativado. Como estava perdido no meu blog, resolvi mandar para o site da Sociedade Racionalista. Entra lá: http://sociedaderacionalista.org/2012/03/10/lei-de-deus/#more-5316

Comentários

Das leis de Deus (jusnaturalismo) dependem todas as leis dos homens (juspositivismo) e a segurança jurídica das pessoas em geral e também das mesmas leis defendem a segurança dos ingratos profetas do ateísmo.
Cassionei Petry disse…
Humm, de qual Deus tu estás falando?
Deus o meu Pai amado também é cultura, amigo. O jusnaturalismo é um conceito criado por Tomás de Aquino, doutor da Igreja Romana. Logo, refiro-me ao Deus hebraico-cristão e suas leis que regulam de forma fundante toda a criação: jusnaturalismo.
Aliás, não poderia deixar de ressaltar, o Deus a quem me refiro é o verdadeiro, o que é acima de toda a humanamente frágil pecadora cogitação humana: Jeová dos Exércitos!
Cassionei Petry disse…
Então tu és um "ingrato", para usar tua palavra, ateu em relação a outros deuses.
Os outros deuses são vaidade, caríssimo, simplesmente não existem. Ser ateu do que nunca houve, fruto de fantasias, ou seja, que é só fruto da especulação do homem pecador é até mesmo uma obrigação. Fiquemos com o Deus verdadeiro: Jeová dos Exércitos O qual se revelou e é a respeito do qual homem algum pensou antes que tratar-se-ia desse Deus e sobre o qual encontramos final e suficientemente na Bíblia quem Ele é e o que quer dos seus santos.
Cassionei Petry disse…
Então nossa única diferença é que eu coloco mais um deus na tua lista dos que são fruto da fantasia.
Não há Deus como Jeová, amigo. O conceito de criação (bar'a, em hebraico) torna verdadeiro ou mínimo muito verossímil, por não ser especulação beirando à fantasia, à esse meu Deus Jeová, por ser inédito na história das religiões.
Cassionei Petry disse…
Só o conceito torna algo verdadeiro?
Página Virada disse…
Oi Cassionei

A maior questão, para mim, é saber como há mais evidências da existência de determinado Deus em relação a outros?
Todas as religiões não podem estar certas porque a maioria delas apresenta ideias excludentes. Provavelmente, já escreveu Richard Dawkins, todas elas estejam erradas.

Um abraço
Guilherme
Índia disse…
Gostei muito do texto.

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …