Avançar para o conteúdo principal

Diário crônico II – Dia verde



Pensei em escrever sobre a morte de Gabriel García Márquez. A timeline do meu twitter, no entanto, me lembrou de que hoje é o aniversário da rainha da literatura brasileira, Lygia Fagundes Telles. Ela está aí, viva, fazendo 91 anos. Celebremos a vida.
Ela poderia escrever durante toda a sua carreira um conto apenas, “Venha ver o pôr do sol”. Somente essa pequena grande obra-prima já a colocaria entre meus escritores preferidos. As poucas páginas nos conduzem a um portão de um cemitério abandonado, em cuja frente crianças brincavam de roda. Um homem levava a sua amada – que o havia abandonado para se casar com um homem rico –, a fim de assistirem juntos, pela última vez, ao sol morrer. O barulho das dobradiças do portão enferrujado, o reboco dos muros rachando, o mato rasteiro tomando conta das alamedas, tudo mostrava o abandono, a decadência do lugar.
O homem se mostrava amável, lembrando fatos do relacionamento dos dois, enquanto a mulher, impaciente, demonstrava a todo o momento sua contrariedade por estar naquele lugar e jogava na cara o fato de estar rica.
O clímax acontece bem ao fundo do cemitério, num jazigo de uma filha que o homem afirmava ser a sua. Seria ali que a sua amada veria o pôr-do-sol mais lindo de toda a sua vida. Paro por aqui para não revelar a surpresa para quem ainda não leu esse conto magistral.
Pois a Lygia nos brindou com outras obras de ouro 18 quilates. Contos como “A caçada”, “Natal na barca”, “O menino”, “Antes do baile verde”, “As formigas”, “O seminário dos ratos”, “Verde lagarto amarelo” e tantos outros preencheram boa parte das minhas horas de adolescente com seus enredos tensos, amargos, às vezes de cunho fantástico e misterioso. Alguns contos que escrevi devem muito à Lygia, apesar de não constar nada dela nas epígrafes do meu Arranhões e outras feridas.
Dos seus romances, nenhum me agradou muito. Mas é inegável a importância de As meninas. É a única obra da autora com um teor político muito forte.
Hoje, portanto, é um dia verde, cor presente em várias passagens de suas histórias, como se pode perceber em alguns contos citados. Se pudesse, desejaria a ela um feliz aniversário. Como não é possível, tiro da estante um de seus livros, e entro no seu universo. É a melhor homenagem que um escritor pode receber.

Comentários

Carlinus disse…
Cassionei, não deixe de escrever sobre o Gárcia Márquez. Preciso saber o que você pensa sobre ele.

Sobre a Lygia, recordo-me que li "Venha ver o pôr do sol" há muito tempo atrás. Estava na sétima série. A professora de literatura pediu. Como é comum na adolescência, li o conto, mas fi-lo por dever, sem dar o devido crédito que o texto merece. Preciso revisitar os contos dela. Inclusive o livro que a professora pediu se chamava "Venha ver o pôr do sol e outros contos".

Dela, hoje, em minha biblioteca, tenho apenas "As meninas". Obrigado por me ter feito lembrar a importância da Lygia Fagundes.
Cassionei Petry disse…
Vou escrever ainda sim.

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Um toque

Chuva, café, música clássica e leitura. Daqui a pouco, o cachimbo. Combinação quase perfeita para uma manhã de dezembro, já de férias, final de ano, final de um péssimo ano. Os dedos escorrem pelas teclas com aquela necessidade de escrever algo. Não quero, porém, fazer nenhum balanço de final de ano como costumava fazer. As coisas ruins suplantaram as boas, peso maior para a morte trágica do meu pai, cujo rosto pude tocar pela última vez há pouco mais de dois meses. Os dedos continuam tateando o teclado. Há pouco estava lendo o romance O inverno e depois, de Luiz Antonio de Assis Brasil, editado pela L&PM. O protagonista, Julius, é um violoncelista, que tateia as cordas buscando o som perfeito, que toca no seu instrumento entre as pernas (o violoncelo, que fique claro) como se tocasse as curvas do corpo de uma mulher, que toca os cobertores que o protegem do frio do pampa, que toca o corpo das mulheres (Klarika, Constanza) como se tocasse seu cello. O toque é a preliminar do prazer…