Avançar para o conteúdo principal

Diário crônico XIX – A crônica de hoje não será sobre...



A crônica de hoje não será sobre a morte do dançarino do programa da Regina Casé, nem sobre a mãe dele, auxiliar de enfermagem, que vai contratar peritos dos EUA para provar que o filho foi assassinado por policiais enquanto treinava Le parkour nos  muros da favela.
Também não será sobre a banana do Daniel Alves, ou melhor, não será sobre a banana que jogaram nele e a repercussão que o assunto teve, com direito a invasão de fotos nas redes sociais de pessoas pondo na boca a fruta cujo formato provoca risos em mentes maliciosas.
Não pretendo escrever sobre o Troféu Imprensa do Sílvio Santos e suas premiações esquisitas e os selfies mais esquisitos ainda que foram tirados no programa. A crônica também não será sobre essa praga chamada selfie. E nem sobre as piadas do Sílvio Santos com os ganhadores do prêmio.
Da mesma forma, não penso em escrever sobre o horrível novo cenário do Fantástico, até porque não assisti ao programa e não sei se o cenário é tão horrível como disseram. Também não vou dizer o quanto achei tosco o “Programa da Sabrina” porque também não assisti. Aliás, que nome propício a piada esse, hein? Em tempo, também não assisti ao Troféu Imprensa.
A crônica de hoje também não abordará as leituras do fim de semana, porque não me deu vontade de escrever sobre o que li. Simples assim.
Por mais que eu gostaria, não vou desabafar sobre uma agressão verbal que sofri de uma ex-aluna numa rede social, desejando inclusive minha demissão de uma das escolas onde leciono. Ela apagou o que disse e quero apagá-la da minha memória.
Não farei nenhuma reflexão sobre esse fim de semana que foi muito chato e triste sem a presença de minha amada esposa que está trabalhando em outro estado. #voltaDeise
Ia escrever na crônica de hoje sobre a falta de tempo, mas como está quase na hora de ir ao trabalho, não vou ter tempo de escrevê-la. Fica para outra oportunidade.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Um toque

Chuva, café, música clássica e leitura. Daqui a pouco, o cachimbo. Combinação quase perfeita para uma manhã de dezembro, já de férias, final de ano, final de um péssimo ano. Os dedos escorrem pelas teclas com aquela necessidade de escrever algo. Não quero, porém, fazer nenhum balanço de final de ano como costumava fazer. As coisas ruins suplantaram as boas, peso maior para a morte trágica do meu pai, cujo rosto pude tocar pela última vez há pouco mais de dois meses. Os dedos continuam tateando o teclado. Há pouco estava lendo o romance O inverno e depois, de Luiz Antonio de Assis Brasil, editado pela L&PM. O protagonista, Julius, é um violoncelista, que tateia as cordas buscando o som perfeito, que toca no seu instrumento entre as pernas (o violoncelo, que fique claro) como se tocasse as curvas do corpo de uma mulher, que toca os cobertores que o protegem do frio do pampa, que toca o corpo das mulheres (Klarika, Constanza) como se tocasse seu cello. O toque é a preliminar do prazer…