Avançar para o conteúdo principal

Diário crônico I – Sexta-feira-dita-santa



Engraçado eu começar essa série de crônicas diárias com um texto sobre religião, mas é inevitável devido ao dia de hoje, sexta-feira-dita-santa.  Sou ateu, mas já fui religioso quando criança, daqueles que não perdem missa nos domingos e, às vezes, vão até nos sábados. Na semana santa, então, participava de todas as atividades. Logicamente, portanto, tinha um respeito enorme pelo dia de hoje e cumpria à risca as proibições estipuladas, sendo que a mais dolorosa era não poder ouvir música ou assistir à TV.
Na adolescência, comecei a fazer coisas que não deveria no dia santo, insensível ao sofrimento de Jesus na cruz. Na virada de quinta para sexta, por exemplo, ia acampar com meus amigos para colher macelas pela manhã cedinho. Durante a madrugada, bebíamos e assávamos um churrasco apetitoso. Às vezes, dormíamos cansados, acordávamos um pouco tarde e já não conseguíamos achar mais nada da tal de macela. Chegávamos em casa sem nada ou então comprávamos de algum vendedor ambulante. Bem, nesse caso já estava ficando na idade adulta, mas o que eu quero relatar aconteceu quando ainda era mais jovem.
Numa tarde de sexta-feira santa, resolvemos, os amigos da vizinhança, jogar bola na rua. Minha bisavó me alertava para não sair de casa, era um dia para se ficar triste e não brincar. Fui assim mesmo, mas com sentimento de culpa. Não podia, porém, fazer papel de medroso frente aos amigos.
Depois da primeira rodada, sentamos para descansar e eu fiquei olhando para o céu. Era um dia com muitas nuvens. Já estava anoitecendo quando olhei para uma delas, cujo formato, para mim, era a do rosto de Jesus Cristo morto. Via perfeitamente, de perfil, o formato dos olhos, nariz, boca, barba (o rosto era idêntico aos quadros do chamado “Filho de Deus” que havia lá em casa). Como se não bastasse, uma coroa de espinhos aparecia na sua testa.
Vi aquilo como um sinal. Imediatamente me ajoelhei e juntei as mãos para iniciar uma oração e pedir perdão por ter jogado futebol numa data imprópria. Alertei meus amigos para que vissem a imagem no céu, porém não enxergaram nada e disseram que estava vendo coisas. Logo a imagem se dissipou e fomos embora, eu com aquela visão, para mim tão nítida e impressionante, ainda marcada na minha mente.
Hoje sei que o que aconteceu foi um fenômeno denominado pareidolia e até já observei muitas outras imagens nas nuvens, inclusive a de Buda na sua versão Leandro Hassum. Nem por isso me converti. Hoje a data não me diz mais nada e por isso comi uma boa carne, além de ouvir um bom e velho rock’n’roll. Até agora não me aconteceu n...

Comentários

Confesso que já me diverti mais nessas festas religiosas. As prendas eram ótimas; presentes, chocolates e o Cosme e Damião então...Hoje são todas danosas e se você bobear só engorda...
Cassionei Petry disse…
Nunca ganhei muita coisa.

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …