Avançar para o conteúdo principal

Diário crônico VII – Coceira crônica



Há alguns anos, fui acometido por coceiras em determinados pontos da pele. Quem já sofreu desse mal sabe que, quanto mais se coça, mais o problema se agrava. A pele começa a ficar vermelha, a irritação se espalha... O mais sensato é procurar um dermatologista, especialista que deve ter a solução para o problema. Acontece que vivo distante dessas coisas práticas da vida, então vou adiando, adiando, não procuro o médico (essa semana estive doente e fiquei apenas em casa) e, quando vejo, o problema está cada vez maior. Pouco tempo depois, fui ao médico e me curei.
Não, não, meu dois leitores. Por favor! Continuem lendo, pois vocês são os poucos que me cabem ainda nesse latifúndio da blogosfera. Vou poupar-lhes de demais detalhes, digamos assim, nojentos. Porém, ah, porém, essas coisas banais do dia a dia nos fazem refletir sobre outras coisas não tão banais. Pois a coceira me lembra justamente a questão da busca pelo conhecimento.
Ora, volta e meia (ou melhor, sempre) sou acometido por uma coceira no cérebro. Quem já sofreu desse mal sabe que, quando mais se coça, mais o problema se agrava. O cérebro começa a inchar, a inquietação se espalha... O mais sensato seria procurar alguma coisa acomodável, como bater papo no celular ou escutar um breganejo, para solucionar o problema. Acontece que vivo distante (ou melhor, quero distância) dessas coisas rotineiras da vida, então vou adiando, adiando e, quando vejo, a inquietação está cada vez maior.
Ah, e é tão bom se coçar. Minha avó, que já se foi, adorava que coçássemos seus cabelos ou suas costas. Como neto dedicado, gostava de proporcionar esses momentos de prazer a ela e eu ficava feliz ao ver nos seu rosto um sorriso de satisfação.
Sim, coçar-se pode se tornar um vício. No caso da coceira do conhecimento, da curiosidade, da busca pelo saber, um vício que pode ser bom ou ruim, dependendo do que vamos fazer com o que ficamos sabendo.
Quando tenho essas coceiras, vasculho livros empoeirados das bibliotecas ou estantes esquecidas das locadoras de vídeo, procuro anotações em folhas perdidas no meio da minha bagunça organizada, baixo álbuns e filmes antigos na internet, entro em fóruns de discussão, etc.
Mas, para aliviar mesmo a coceira, tenho que compartilhar os remédios que encontro, seja ensinando aos alunos na escola, seja conversando com alguém em um café ou no facebook ou então escrevendo essas crônicas, artigos, resenhas, aforismos, contos, fragmentos e outras filosofices para serem lidos pelos raros leitores do blog. Quando escrevo, ali no canto superior, “espero que não fique à vontade”, significa o desejo de que todos tenham essa mesma coceira ao lerem o que escrevo.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …