Avançar para o conteúdo principal

Diário crônico X – Maria vai com as outras



Já dizia a canção de Toquinho e Vinícius que havia uma moça muito recatada na “turma lá do Gantois”, que era “de coser”, “de casar”, “de rezar” e “maria vai com as outras”. Porém poucos sabiam que, além de tudo isso, também aprontava das suas às escondidas.
Pois a expressão que melhor define o brasileiro é essa criada pelo repertório popular. Todo o brasileiro é um “maria vai com as outras”, faz tudo que seu mestre manda, segue os exemplos de todo mundo (geralmente exemplos negativos), repete bordões e chavões alheios, usa, lê, vê e ouve o que todos usam, leem, veem e ouvem, nas redes sociais da internet compartilha imagens, frases, notícias e opiniões sem checar se as fontes são verdadeiras, reproduz “memes”, “hashtags”, “selfies”. Na maioria dos casos pra se mostrar o bonzinho, fazer sua parte, agradar aos demais. Mas no fundo, no fundo, bem lá no fundo, o brasileiro esconde outro por dentro.
Todas essas manifestações de bom-moço que infestam a internet e que acabam se reproduzindo depois nas outras mídias são formas de dizer que se está fazendo algo sem realmente fazê-lo. É como rezar pela recuperação de um doente. A pessoa se sente útil sem fazer nada. Se der certo, foi graças aos nossos “esforços”, se não, foi porque era pra ser assim.
O caso do momento é a banana atirada aos pés do jogador de futebol. Tanta gente postando fotos com uma banana na mão, ou pior, comendo uma – é uma das frutas mais horríveis de se ver alguém comendo, mais do que um cão chupando manga –, que hoje fiquei tão irritado que mandei todo mundo enfiá-la na sua “abertura exterior do tubo digestivo, na extremidade do reto, pela qual se expelem os excrementos”. (Obrigado, Houaiss!) Por sorte quase ninguém leu, pois me mandariam fazer o mesmo.
A banana representa muito bem o brasileiro, não exatamente por descender do macaco, mas pelas macaquices (segundo o dicionário Houaiss, carinho ou procedimento hipócrita e interesseiro; adulação, bajulação, lisonja) que faz diariamente.

Comentários

Skyline Spirit disse…
pretty nice blog, following :)

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …