Avançar para o conteúdo principal

QUESTÃO DE TALENTO


conto por Cassionei Niches Petry

Posso começar? Ok, bem, alô, alô, 1, 2, teste. Tá bom? Vamos lá, então. Antes de mais nada agradeço o espaço que não me deram, mas estou agora utilizando para dizer que o talento é uma coisa que não se conquista e sim se nasce com ele. Eu nasci com talento, mas parece que as pessoas têm inveja e por isso não deixam a gente mostrar. Daí resolvi tomar esta atitude, e agora vocês vão ouvir a minha música que o programador da rádio vai rodar. Antes eu queria que a rádio rodasse pelo menos uma música minha, mandei meu CD, mas tem um cara aqui que não foi com a minha cara, eu acho. Então a única ideia que eu tive foi invadir a rádio e obrigar os caras a botarem meu som. Eu estou armado, mas não quero machucar ninguém, quero só mostrar meu talento. Não tô nem aí pro sucesso, quero só mostrar minha arte pra todas as pessoas. Então vocês vão ouvir todo o CD que eu gravei com minha banda e entre uma música e outra vou expressar minha filosofia de vida pra vocês, valeu. Então, aí vai a primeira.

...

Que som, né? Pois justamente essa letra expressa o que eu sinto contra as rádios que só rodam os caras que pagam jabá, tá ligado? Esta rádio até que toca um lance alternativo e tal, só não queriam rolar o meu som. Vamos logo para a próxima música.

...

Bem, esse é um som de quem tá revoltado com os políticos, e todo brasileiro sempre tá. Mas eu queria que vocês reparassem na linha de baixo do próximo som, é do caralho.

...

Ouviram com atenção? Pois é, pra mostrar que meu som tem uma qualidade musical muito grande. Repito, as pessoas que nascem com talento como eu têm que ter espaço nas rádios. Próxima música.

...

Bem, esse som eu fiz quando minha mina me traiu e tal, mas não tem nada a ver com esse som de corno dos sertanejos ou sertanojos. O estilo é mais metafórico, não sei se vocês perceberam, mas a serpente da letra... bem, se vou explicar não tem graça, né? A que vai rolar agora fala sobre a TV e tem o título Tenda dos Varais, se ligaram nas iniciais? Ninguém teve essa ideia ainda.

...

Os caras da banda disseram que a gente não devia ter gravado essa música sobre a TV porque fala sobre a Globo e aí a gente nunca ia poder tocar lá. E eu com isso, eu disse, não quero fazer sucesso na TV, o que vale e expressar a arte da música que deve ser ouvida e se o cara quer ver a banda tem que ir nos shows e tal. Vou rolar a próxima, mas antes queria dizer que é bem mais a fudê quando não tem propaganda na rádio. Olha só quanto tempo a gente tá ouvindo música sem aquelas musiquinhas babacas que só servem pra enganar os otários e comprar os produtos que eles querem vender. Mas vamos pra faixa seguinte.

...

Por causa dessa música que rolou eu comprei uma briga com minha mãe, porque falo mal da religião, principalmente a porra da Igreja Universal e também da Católica, mas é mais os caras que tomam conta dessas igrejas, só querem dinheiro. Bem, só quero avisar pra quem tá ligando pra cá que eu não vou atender, e pros pés-de-porco que tão ali no outro lado do vidro me vendo, que a próxima música é uma homenagem a vocês. E tô avisando, se vocês entrarem antes de terminar meu CD, eu mando bala no cara aqui, hein?

...

Tudo que eu disse nesse som é verdade, tá ligado, os brigadianos só querem dar cacetada na gente e assim acabam perdendo o controle da lei, tá ligado? Os caras que tão me olhando ali, não querem nem saber se eu vou me entregar depois, quando terminar meu CD, vão entrar dando porrada, depois vão dizer que foi preciso porque o elemento reagiu à prisão, ah, vão se fuder. Agora o último som é bem deprê, depois das pauladas sonoras, vamos descansar o cabeção.

...

Viram aí, a música fala de suicídio e tal, do artista que não é compreendido em vida e resolve se matar porque tem certeza que fará sucesso depois de morto. É isso aí rapaziada, com isso vou me despedindo, e espero que vocês comprem o CD e façam de mim e da minha banda um sucesso e adeus pra toda minha família e tal. E aí vai o último som que eu faço em vida.

...


Este conto foi inspirado em um fato real. Alguém lembra?

Comentários

Leandro Haupt disse…
Mano Cássio :D
Lembrei de ti contando a história na aula

O conto fico legal e engraçado :P
Cassionei Petry disse…
Não me lembro de ter contado.
Robson Duarte disse…
Bah, velho, muito irado teu som, err...quero dizer, ótimo texto mesmo, legal esse negócio de encarnar um personagem na ponta do dedo.
Sucesso.
M disse…
E contou mesmo.
Cassionei Petry disse…
Então foi quando vocês estavam no 1º ano...
Felipe disse…
Foi inspirado no evento de 2002/03(?) quando um músico invadiu um programa da Atlântida pra tocar o CD da sua banda? Ou no filme Airhead? Ou os dois eventos são a mesma coisa?
Cassionei Petry disse…
Foi o que aconteceu na rádio Atlântida mesmo, com o Márcio Paz. O filme eu não assisti. Obrigado pelo comentário.

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …