Avançar para o conteúdo principal

Salinger (ou Cuidado com os crocodilos)


por Cassionei Niches Petry

A morte recente do escritor J. D. Salinger não pode ser considerada uma perda para a literatura, porque ele já não publicava desde a década de 60. Talvez seja um ganho, pois consta que ele continuava escrevendo, mas que guardava as novas obras em um cofre. Quem sabe esses escritos não apareçam agora. Imagine o dinheiro que ele ganhou com O apanhador no campo de centeio para poder se dar ao luxo de parar de publicar, salvo se já tinha alguma renda. Virou um escritor recluso, não dando entrevistas, não deixando ser fotografado, evitando qualquer contato com o mundo das celebridades. Os brasileiros Dalton Trevisan e Rubem Fonseca também seguiram o mesmo caminho, mas pelo menos não deixaram de publicar. No cinema, a figura do escritor recluso foi representada por Sean Connery no filme Encontrando Forrester, de Gus van Sant. O personagem vive em um apartamento no Bronx, totalmente trancado, tendo apenas seu editor como ponte com o mundo.

Até gostaria de ser um escritor assim, poder ficar em casa, cercado de livros e discos, assistindo aos clássicos do cinema e escrevendo. Este blog até continuaria existindo, porque o autor escreve para ser lido. (Não levo fé em quem escreve para deixar os textos na gaveta, apesar de conhecer grandes escritores, perfeccionistas, que acham que seus textos não estão prontos para ser publicados.) Orkut, “mesene”, nem pensar. (Aliás, por favor, parem de me mandar convite para facebook, hi5, sônico e o diabo a quatro!) Sair para festas, saraus, cinema, teatro, pode tirar o cavalinho da chuva! Palestras? Já levou torta na cara? Teria uma casa cercada por um lago repleto de crocodilos e sem ponte. As correspondências e os mantimentos chegariam somente de helicóptero (o autorizado para o serviço, claro, caso contrário o invasor seria recebido com uma chuva de flechas com pontas envenenadas ou tiro de canhão). Na entrada, a frase da peça Entre quatro paredes, do Sartre, com letras bem grandes: “o inferno são os outros” (até há pouco tempo eu tinha essa frase no MSN, talvez por isso quase ninguém falava comigo).

Mas como não tenho tanto dinheiro para isso, pois não tive oportunidade de lançar uma obra que vendesse milhões de exemplares, vou seguindo na minha rotina de cronista underground, lido por 3 ou 4 pessoas (as visitas do blog e as visualizações no Recanto das Letras não me enganam). No final de fevereiro, volto ao trabalho, pois em março as aulas recomeçam e, consequentemente, as postagens por aqui vão diminuir. Isso pode ser revertido se aumentar o número de leitores que realmente leiam e comentem, o que acho difícil, pois há coisas mais importantes para se fazer (como assistir a determinados programas de televisão). Aí até faço um esforcinho para escrever mais.


***

Texto escrito ao som do álbum Imagine, de John Lennon, cantor morto por um filho da puta que disse que cometeu o crime influenciado pela leitura de O apanhador no campo de centeio.


Comentários

Leandro Haupt disse…
Eu odiaria viver "isolado" :|, deve ser muito deprê
Anna Faedrich disse…
Cassionei,
teu blog é realmente muito bom!

Sempre que dá, venho dar uma espiadinha. Quer dizer, "espiadinha" não... (isso é coisa pra outro tipo de programa asuahsuahsuahusa). Sempre que dá, eu venho aqui ler algumas coisas interessantes ;)

É uma pena que Chapman tenha se inspirado na história do adolescente revoltado para justificar seu crime :(

Por outro lado, O Apanhador "ganhou" muitos leitores para a literatura... ouço muitos depoimentos de que foi a partir dessa leitura que algumas pessoas começaram a ler para além do entretenimento... foi um livro que marcou de verdade.

Enfim, Salinger era dos grandes.
Cassionei Petry disse…
Leandro, pra quem não gosta de ficar sozinho é deprê mesmo. Eu era assim, mas hoje prezo mais a solidão... Claro, com a esposa e filha do lado.

Anna, teu blog também é bom, recomendo aos meus leitores...
Luis Fernando disse…
Está cheio de blogs bem razoáveis na net, onde nunca se vê nenhum comentários. Todas as postagens têm "0 comentários".

Dentro da média que eu conheço, o seu blog é até bastante comentado.
Cassionei Petry disse…
Eu nem posso reclamar muito, pois comento pouco nos outros blog, para não dizer que nem comento... Mais é a vontade de ter um retorno, saber o que achou, se o texto tá bom ou ruim. Aliás, gosto dos teus comentários porque sei que tu és bem sincero, se está ruim sei que você fala (ou se cala).
Luis Fernando disse…
Quando eu me calo, isso não quer dizer muita coisa... gostei bastante desse texto do Salinger, mas às vezes falta tempo pra comentar. Acho que a quantidade de comentários não serve pra aferir o grau de leitura de um blog, porque a maioria das pessoas lê as postagens mas não escreve sobre.
Concordo com o Luis Fernando...
sou leitora assídua do seu blog
mas nunca comento
sou assim
leio muito e comento pouco, isso na "blogosfera", pessoalmente não me calo xD
talvez seja um defeito...
mas o que interessa é que gosto muito do seu blog!
quase sempre, conversando com meus amigos, digo que li algo muito interessante aqui
obrigada por fornecer tanta informação útil, tanta cultura, tanto conhecimento!

Beijos =*
Cassionei Petry disse…
Glória, tu estás absolvida, pois já comentou várias vezes aqui no blog. Fico chateado só com quem não diz, pelo menos uma vez,"estou lendo seu blog". Aliás, eu leio o seu e também não comento...

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …