Avançar para o conteúdo principal

Huxley vs. Orwell

Citei em dois dos textos que escrevi sobre o famigerado reality show Big Brother as obras de Aldous Huxley e George Orwell. Pois neste cartoon de Stuart McMillen, baseado em um livro de Neil Postman, há uma comparação dos romances 1984 e Admirável mundo novo. Créditos da tradução para Sedentário Hiperativo e Minutos de silêncio:



Comentários

Luis Fernando disse…
Orwell tinha em mente o estado totalitário, inspirado no stalinismo. Nos fim dos anos 40, a hipótese de "1984" era bastante plausível, mas depois de 1989, com o fim do comunismo, deixou de ser. Agora, são as distopias inspiradas na sociedade tecnológica de consumo que nos dizem mais respeito, como a de Huxley e a de Ray Bradbury.
Por exemplo, em "Admirável Mundo Novo temos o chamado cinema sensível", que pode ser considerado equivalente ao atual 3D. O conteúdo da trama é secundário, ela pode ser a mais banal e chocha possível. O importante são as sensações quase físicas proporcionadas pelo filme.
"Avatar" é exatamente isso.
Cassionei Petry disse…
Não creio que estamos livres de um mundo como o de 1984, mas com certeza as distopias de Huxley e Bradbury são mais possíveis.
Luis Fernando disse…
Como diz o Zygmunt Bauman, os mal-estares pós-modernos nascem da liberdade... puramente ilusória, mas com a oferta de simulacros eficazes de liberdade.
Por outro lado, nesse ponto Bauman fala mais para a classe média, porque a grande maioria das pessoas está vivendo em condições de privação cada vez mais extremas. Elas não tem nem o privilégio da ilusão. Vivem sob a mais cruel pressão da necessidade.

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …