Avançar para o conteúdo principal

Altair Martins, sobre um dos contos do meu primeiro livro


Sobre "Arranhões":
Cassionei, teu conto é rápido, sem truques. E violento. Gosto disso. (...) O texto e a linguagem são muito bons. E o efeito é único.
Abraços,
Altair

Comentários

Prova de que tinha razão em minha primeira impressão de leitura do "Arranhões"". Realmente um conto fascinante, visto o curto espaço de linhas, as lacunas e o amplo universo que conseguiu recriar por alí. Fui um leitor que – olhando para fora do texto – ainda preso nele depois de ter terminado, acabei pensando: "por que não pensei nisso?". Assim foi comigo, confesso que divaguei desse modo. Digo tudo isso, não por simpatia gratuita ou como simples leitor escapista, mas com a perspicácia aguda que me permitiu dialogar com ele como editor, como apreciador da boa literatura e como ser humano sensível. Parabéns!
Cassionei Petry disse…
Onde está editor lê-se revisor, não é?
Obrigado, Dilso.

Mensagens populares deste blogue

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …

Escrevo no Amálgama sobre "A montanha mágica"