Avançar para o conteúdo principal

Duas notícias sobre publicações minhas

Havia comentado que estava esperando a edição impressa da revista Signo, com meu ensaio sobre o suicídio. No entanto, a revista é publicada somente on line desde 2007. Portanto, quem quiser dar uma lida no meu ensaio e nos demais textos, inclusive de Gustavo Bernardo (que recomendo para professores de literatura) e de Lúcia Santaella, é só acessar o link que segue e baixar os PDFs de cada trabalho:  http://online.unisc.br/seer/index.php/signo/index.

***

O meu primeiro livro de contos "Arranhões e outras feridas", tem previsão para ser lançado na segunda quinzena de agosto, justamente no mês do meu aniversário. A editora é a Multifoco, do Rio de Janeiro.

Comentários

Rô Candel disse…
Hum, tu és de agosto, Cassi? Leonino bravo! Hahahaha Vais lançar o teu livro na Feira do Livro de SCS? Ela ocorrerá entre 25 de agosto e 2 de setembro. Penso que tens de aproveitar a trasnformar o lançamento em um happening para os amigos!
Cassionei Petry disse…
Sou cético com relação a signo. Sou um péssimo líder, por exemplo.
Quanto ao lançamento, estou vendo a possibilidade com o Romar de lançar na Feira. Estou receioso no lançamento por que serão 30 exemplares disponíveis somente. Não sei se vou vender todos, ou se vão faltar. Até gostaria de fazer uma pré-venda para tirar a temperatura, mas não sei.
O que é certo é que não posso lançar numa livraria, porque eles geralmente ficam com 50% da venda.
Bacana. Reserve um para mim. Parabéns pelo ensaio também, este já li e achei muito bom. Parabéns!
Jorcenita disse…
Espero que o meu exemplar, também esteja garantido, e, autografado. Tu podes ser cético em relação à signo, mas não sejas em relação à Signo, porque ela está indexada no Portal Capes, no CCN, no Latindex, no Sumários.org e breve estarei atualizando as últimas edições, assim como a indexação completa na DOAJ. Na medida do possível, tentamos dar visibilidade às publicações... E tem ainda o sl&l, onde poderemos estar divulgando o teu livro. Boa sorte, colega. Se precisar vendo alguns exemplares para você.
Cassionei Petry disse…
Obrigado, Jô. Tu tens o privilégio de ter os originais, apesar de modificações que ocorreram. Ficarei feliz se adquirir o livro. Bah, acho que vou precisar do seu auxílio. Preciso vender uns 60 exemplares. Ia doar pra biblioteca, mas não vou ganhar exemplares de brinde. Espero que comprem. Quanto à Signo, não sou cético não.

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …