Avançar para o conteúdo principal

Machado de Assis para prefeito e Brás Cubas para vereador

Estou lançando uma campanha para as prefeituras de todo o Brasil. Em vez de votarmos em branco ou anular, podemos votar no Machado de Assis. Antes do PLT - Partido da Literatura, de acordo com o simulador da urna eletrônica, o Machado era candidato a vereador, com o número 92106, sendo que para prefeito era o Drummond, número 92. Mas parece que o Bruxo do Cosme Velho fundou o seu próprio partido para concorrer à prefeitura: é o PH, Partido do Humanitismo, e o seu número é o 18, mesmo número de sua casa.
E para vereador, voto no Brás Cubas, a chance de ele não fracassar na política. Sua principal promessa é a criação do emplastro que acabará como todos os males da humanidade. Seu número, 18810.
Já tenho o apoio, pelo Facebook, do Dilso, do blog  cronutopia.blogspot.com.br/

Comentários

Essa campanha vai bumbar... Mas penso que se os eleitores conversassem um pouco com nosso Bruxo, mesmo que não votassem nesse "galo", a coisa já mudaria um pouco de figura. Daí os outros pretendentes a cargos públicos eletivos teriam que se esmerar mais ou evoluir para não serem vítimas de tanta ironia aprendida com o mestre Machado. hehehehe...

Bela e inteligente postagem!
Cassionei Petry disse…
Tu lançaste o nome e eu estou articulando a campanha.

Mensagens populares deste blogue

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …

Escrevo no Amálgama sobre "A montanha mágica"