Avançar para o conteúdo principal

Minha coluna de hoje no jornal sobre romance de Marcelo Backes


Fechado para reformas
Cassionei Niches Petry

Nós, seres humanos, estamos sempre em reforma, seja no lado de fora, seja no lado de dentro. Mudamos de roupa, peso, cabelo, fazemos a barba ou a deixamos crescer. Revemos ideologias, crenças, comportamentos, desejos. Também nossa casa material passa por reformas constantes no seu exterior e interior. É sobre isso, ou mais menos isso, de que trata o recente romance de Marcelo Backes, A casa cai (Companhia das Letras 425 páginas).
O narrador da história é o mesmo do livro anterior do autor, O último minuto. É um seminarista que, ao participar de uma pastoral carcerária, ouve o depoimento de um preso, ex-técnico de futebol, sobre sua vida e o crime que cometera. Agora o “quase padre” é o protagonista. Ao deixar o seminário após a morte do pai, herda dele vários imóveis em bairros nobres do Rio de Janeiro e descobre, lendo documentos de um cofre, que o pai, para criar seu “império”, se envolvera em falcatruas, como incêndios provocados para espantar a população pobre de favelas horizontais nos anos 1960, dando lugar a edifícios de luxo, formando, assim, a famosa Selva de Pedra. A especulação imobiliária que formatou o que é hoje o Rio de Janeiro aparece na sua mais crua realidade.
O enredo, porém, também trata de amor e de relacionamentos mais quentes. O protagonista herda, digamos assim, a namorada do seu pai, Lívia, mulher mais velha do que ele, com quem executa a reforma de um dos imóveis para ambos morarem. Nas semanas que duram a reforma, o narrador sente atração pela síndica do prédio (também com mais idade do que ele) e depois tem um caso com Camila, amiga de Lívia. Além disso, ao fazer uma viagem para a Rússia, transa com uma guia de turismo. Vida amorosa bem agitada para quem recém-largou a batina, não concordam?
Perpassa em todo o romance o fantasma do pai, mais kafkiano do que hamletiano. Backes é tradutor de Kafka e escreveu ensaios importantes sobre, entre outros livros, a Carta ao pai. O narrador, cujo nome ficamos sabendo somente no final da história, conhece aos poucos o pai de quem era distante e percebe que ele, um “deus criando seu mundo patrimonial em apenas sete década”, também regia, como o progenitor de Kafka, o mundo de sua poltrona. Ao reformar a casa que o patriarca lhe deixou, o protagonista revela, de certa forma, a tentativa de afastar o espectro do pai.
Ao “descortinar um passado que nem sequer busquei e que me agarrava sem nem mesmo bater à porta”, o narrador tenta se reconstruir, sempre com o medo de que, em algum momento, a sua casa venha a cair, gíria que significa que tudo vai dar errado, tudo vai desmoronar. Se isso vai acontecer? Feche-se em sua casa, caro leitor, coloque uma placa com a inscrição “em obras” na porta, mergulhe na leitura do livro e descubra.

Cassionei Niches Petry é escritor. Autor de Arranhões e outras feridas (Editora Multifoco) e Os óculos de Paula (Editora Autoral). Escreve regularmente para o Mix e mantém um blog, cassionei.blogspot.com

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Um toque

Chuva, café, música clássica e leitura. Daqui a pouco, o cachimbo. Combinação quase perfeita para uma manhã de dezembro, já de férias, final de ano, final de um péssimo ano. Os dedos escorrem pelas teclas com aquela necessidade de escrever algo. Não quero, porém, fazer nenhum balanço de final de ano como costumava fazer. As coisas ruins suplantaram as boas, peso maior para a morte trágica do meu pai, cujo rosto pude tocar pela última vez há pouco mais de dois meses. Os dedos continuam tateando o teclado. Há pouco estava lendo o romance O inverno e depois, de Luiz Antonio de Assis Brasil, editado pela L&PM. O protagonista, Julius, é um violoncelista, que tateia as cordas buscando o som perfeito, que toca no seu instrumento entre as pernas (o violoncelo, que fique claro) como se tocasse as curvas do corpo de uma mulher, que toca os cobertores que o protegem do frio do pampa, que toca o corpo das mulheres (Klarika, Constanza) como se tocasse seu cello. O toque é a preliminar do prazer…