Avançar para o conteúdo principal

Quem leva a sério a escrita é o que se dá bem?

Escrever é um troço complicado para quem o leva a sério e para quem não o leva também.
Quem leva essa atividade a sério quer escrever bem, enquanto o outro não sabe escrever e não quer escrever bem.
O primeiro inventa desculpas para não se afastar do texto e realizá-lo da forma mais elaborada possível. Corrige, reescreve, corta, substitui palavras, cria. O segundo inventa mil desculpas para não escrever e, se é obrigado, o faz da forma menos elaborada possível. Escreve qualquer coisa, não reescreve, não corta (se não o texto desapareceria), deixa as palavras como estão, copia da internet, reproduz.
O primeiro escreve para fazer arte, às vezes sem pretensão, às vezes esperando publicar e ser lido, ou para opinar sobre algo, recebendo dinheiro por isso ou não, desejando apenas ser lido e discutido e que suas ideias repercutam. O segundo escreve porque alguém solicitou (professor, chefe), e a pretensão é a necessidade de receber uma nota mínima só para passar de ano e receber um diploma ou porque faz parte de uma das atividades da sua profissão fazê-lo e precisa do salário ou subir de cargo.
O primeiro acha que precisa ler cada vez mais para poder escrever. O que leu nunca é o suficiente para criar seus textos. O segundo acha que ler é uma perda de tempo, que foram coisas inventadas por professores desocupados, ou então se arrepende por não ter lido mais na sua juventude e não ter atendido ao apelo do professor para que o fizesse e agora não sabe o que pôr no papel.
O primeiro é inteligente, culto, ignorante em algumas coisas, porém sempre busca saber o que não sabe. O segundo é burro, inculto, ignorante em quase todas as coisas e quase nunca busca saber o que não sabe.
O primeiro, no entanto, geralmente não se dá bem no mundo dos espertos. O segundo geralmente se dá bem, pois, se não tem escrita, tem a lábia para desdobrar seu chefe, delega a atividade a outro, porém levando os louros da vitória, sabe escapar das obrigações, paga alguém para realizar as atividades no seu lugar, é promovido porque se dá bem com seu superior e outras pessoas, não bate de frente com eles, não contesta, diz o que eles querem ouvir, os elogia sempre que pode e recebe de volta elogios por isso, expõe nas redes sociais ou nas conversas com seus colegas somente seus feitos positivos e somente os elogios, escondendo todas as cagadas que fez e as críticas que sofreu por isso.
O primeiro, enfim, representa aqueles que nasceram nessa vida para levar porrada como o eu-lírico pessoano. Nasceram para ver os outros se esquivarem das porradas  e vencerem. É um fracassado, porém é feliz dessa maneira.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Um toque

Chuva, café, música clássica e leitura. Daqui a pouco, o cachimbo. Combinação quase perfeita para uma manhã de dezembro, já de férias, final de ano, final de um péssimo ano. Os dedos escorrem pelas teclas com aquela necessidade de escrever algo. Não quero, porém, fazer nenhum balanço de final de ano como costumava fazer. As coisas ruins suplantaram as boas, peso maior para a morte trágica do meu pai, cujo rosto pude tocar pela última vez há pouco mais de dois meses. Os dedos continuam tateando o teclado. Há pouco estava lendo o romance O inverno e depois, de Luiz Antonio de Assis Brasil, editado pela L&PM. O protagonista, Julius, é um violoncelista, que tateia as cordas buscando o som perfeito, que toca no seu instrumento entre as pernas (o violoncelo, que fique claro) como se tocasse as curvas do corpo de uma mulher, que toca os cobertores que o protegem do frio do pampa, que toca o corpo das mulheres (Klarika, Constanza) como se tocasse seu cello. O toque é a preliminar do prazer…