Avançar para o conteúdo principal

Traçando livros de hoje é sobre poemas de Marco Cremasco


Vida, tempo, palavras

Ao chegar a casa por esses dias, depois de buscar minha esposa no trabalho, me deparei com uma formiga no para-brisa do carro. Carregava uma enorme folha. Provavelmente, havia caído de alguma árvore, parecia tonta. Perdeu-se, portanto, das demais companheiras. Levei-a até o chão e ela soltou seu fardo. Fiquei observando-a se embrenhar na grama, sentindo-se perdida. Para onde iria agora?
Como não sou poeta, no máximo um cronista, às vezes faço dessas pequenas coisas matéria para algum texto que, porém, nem sempre consegue captar com sucesso momentos tão singelos. Já o paranaense Marco Aurélio Cremasco, poeta dos bons, também contista e romancista, bebe na fonte de Manoel de Barros e Alberto Caeiro (um dos heterônimos de Fernando Pessoa), citado inclusive em um dos poemas, para nos trazer, em As coisas de João Flores, numa belíssima edição de capa dura da Editora Patuá, a grandeza dessas miudezas.
Uma formiga aparece no poema em que “a folha órfã/cai espiralada”, sugerindo a pausa da “procissão” dos “súditos” da “rainha”. Logo me veio a lembrança o pequeno inseto perdido. No poema de apresentação, o eu-lírico dá bom dia a “cães gatos/rato pássaros”, menciona flores e borboletas, elementos da natureza que contrastam em outros poemas com o mundo da cidade, na dicotomia que vive João Flores, “meio urbano meio caipira (...)/fora de moda, pois a moda não é violeta, é de viola”. João Flores, diga-se, era personagem de um conto de Cremasco, presente em História prováveis, de 2007, cujo trecho serve de epígrafe para o livro de poemas, em que se pode ler que ele “trazia a vida em um saco de coisas”.
O tempo e a morte também são temas constantes: versos como “a morte espreita/atrás da porta” ou “a vida nada mais é o que um sonho da morte” sugerem um João Flores no fim da vida (“vejo o tempo corroer-nos”), vivendo uma jornada interior (“existe um deserto/para atravessar//um deserto/sem fim//este deserto/dentro de mim”). Assim como a formiga que carrega a folha, o eu-lírico carrega sua pedra como o Sísifo da mitologia. No poema “Rock’n’roll, o pai aconselha ao filho: “vá com sísifo/role pedras”. É um peso do qual o homem não deve fugir. A vida passa, o tempo passa. As dificuldades, porém, voltam: “a luz (se) revela/intervalo das trevas”.
Há versos em que a palavra e o poema são destacados: “palavras comuns/poemas qualquer”, “liberdade é uma palavra encarcerada/que deve ser lida repetida apreendida”, “quero escrever um poema/o poema que não quer ser escrito”, “engravido de outro poema”, “o poema não é... caso desfeito”, “não sou apenas palavra, sou pensamento”.  O poeta, como Drummond, luta com as palavras, mas também contra a morte e o tempo. Marco Aurélio Cremasco, que além de escritor é professor de engenheira química, conhece a fórmula de um bom poema.
Cassionei Niches Petry é escritor. Autor de Arranhões e outras feridas (Editora Multifoco) e Os óculos de Paula (Editora Autoral). Escreve regularmente para o Mix e mantém um blog, cassionei.blogspot.com

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …