Avançar para o conteúdo principal

Como sempre

Salvador Dalí - El gran masturbador
Conto (ou miniconto?)
por Cassionei Niches Petry

Logo ao acordar sente que, mais uma vez, não será seu dia: uma goteira bem em cima do criado-mudo molhou toda sua Bíblia. Apressado – o ônibus sai às 6 horas – derruba café na camisa novinha. Vai trocá-la. Mas quando sai de casa pisa numa poça de água acumulada da chuva e molha suas calças. Azar, pensa, vou assim mesmo.

No ônibus retoma a conversa de ontem com a sua vizinha que reclama do assédio do patrão. Diz que já pensou em denunciá-lo, porém tem medo de perder o emprego. Se vestindo assim, ele pensa, olhando para o decote da mulher, é ela quem deveria ser processada.

Desce no ponto às 7 e meia e vai direto para o balcão da loja, dá bom dia aos colegas e liga seu radinho de pilha. Ouve a as mesmas vozes, as mesmas notícias, os mesmos comentários. Também atende aos mesmos fregueses com a mesma atenção de sempre. Lê o mesmo jornal, as mesmas notícias. Ao meio-dia come a mesma comida. À tarde, muda alguma coisa?

Às 5 e meia, antes de sair, recebe um telefonema. A mesma voz o convida para jantar. Como sempre, aceita.

No restaurante de sempre, pede o de sempre. Para dois, não esqueça. O garçom sorri. Come sua parte, lamentando mais uma vez por ela não aparecer.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …