Como sempre

Salvador Dalí - El gran masturbador
Conto (ou miniconto?)
por Cassionei Niches Petry

Logo ao acordar sente que, mais uma vez, não será seu dia: uma goteira bem em cima do criado-mudo molhou toda sua Bíblia. Apressado – o ônibus sai às 6 horas – derruba café na camisa novinha. Vai trocá-la. Mas quando sai de casa pisa numa poça de água acumulada da chuva e molha suas calças. Azar, pensa, vou assim mesmo.

No ônibus retoma a conversa de ontem com a sua vizinha que reclama do assédio do patrão. Diz que já pensou em denunciá-lo, porém tem medo de perder o emprego. Se vestindo assim, ele pensa, olhando para o decote da mulher, é ela quem deveria ser processada.

Desce no ponto às 7 e meia e vai direto para o balcão da loja, dá bom dia aos colegas e liga seu radinho de pilha. Ouve a as mesmas vozes, as mesmas notícias, os mesmos comentários. Também atende aos mesmos fregueses com a mesma atenção de sempre. Lê o mesmo jornal, as mesmas notícias. Ao meio-dia come a mesma comida. À tarde, muda alguma coisa?

Às 5 e meia, antes de sair, recebe um telefonema. A mesma voz o convida para jantar. Como sempre, aceita.

No restaurante de sempre, pede o de sempre. Para dois, não esqueça. O garçom sorri. Come sua parte, lamentando mais uma vez por ela não aparecer.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Eu te amo" ou sinal do Diabo?

Sobre “Amortalha”, de Matheus Arcaro