Avançar para o conteúdo principal

Plágio em novela? Satanismo na música?


Em alguns fóruns na internet está sendo discutido se o computador Frank na novela das 7 da Globo é plagio do computador Hal, do filme 2001: uma odisséia no espaço.

Acredito que o plágio acontece quando alguém se diz criador de determinada ideia que é de outra pessoa. Exemplo no campo da fantasia: Neil Gaiman se utiliza de várias personagens da literatura e admite isso, inclusive o popular personagem do aprendiz de feiticeiro. Já J. K. Rowling escreve uma história parecidíssima com Tim Hunter do próprio Gaiman, mas não admite a influência. Aí é plágio, apesar do acordo que depois fizeram debaixo dos panos, já que Gaiman não era tão conhecido na época. Escrevi sobre isso neste post.

No caso da novela, é escancarada a influência, não plágio, já que colocaram até o dublador do filme para fazer a voz do Frank. Aí há outra influência, pois a novela iria se chamar "Bom dia, Frankenstein", clara referência ao personagem de Mary Shelley.

Agora, só não posso dizer o mesmo da "robô" do reality show Solitários do SBT.

Falando ainda em novela (não, não virei noveleiro, mas gosto de filosofar sobre o pop), também circulou que a música “Pelo avesso”, dos Titãs, tema de abertura da novela das 6, seria SATÂNICA. O Sérgio Britto, autor da letra, fala sobre isso no seu blog, explicando o que ela significa:

Quando compus a canção a intenção inicial, a grosso modo, era falar de "justiça social" sob uma ótica torta, enviesada: como se só pudéssemos aspirar à igualdade na miséria e na indigência .

Muito me surpreendeu ( na verdade, até diverte ) ler e ouvir comentários sobre "o perigo que esta música representa para a familia brasileira" e "a mensagem oculta que ela encerra". Para alguns, por incrível que pareça, trata-se de uma música, satânica! Loucura, não?

Parece até aquela história de gente que confunde o ator com o personagem...

O tema da canção é bem claro. Só não entende quem não quer.”

Segue a letra da música, do álbum Como estão vocês, de 2003.

Pelo avesso (Sérgio Britto)

Vamos deixar que entrem
Que invadam o seu lar
Pedir que quebrem
Que acabem com seu bem-estar
Vamos pedir que quebrem
O que eu construi pra mim
Que joguem lixo
Que destruam o meu jardim

Eu quero o mesmo inferno
A mesma cela de prisão - a falta de futuro
Eu quero a mesma humilhação - a falta de futuro

Vamos deixar que entrem
Que invadam o meu quintal
Que sujem a casa
E rasguem as roupas no varal
Vamos pedir que quebrem
Sua sala de jantar
Que quebrem os móveis
E queimem tudo o que restar

Eu quero o mesmo inferno
A mesma cela de prisão - a falta de futuro
Eu quero a mesma humilhação - a falta de futuro

Eu quero o mesmo inferno
A mesma cela de prisão - a falta de futuro
O mesmo desespero

Vamos deixar que entrem
Como uma interrogação
Até os inocentes
Aqui já não tem perdão
Vamos pedir que quebrem
Destruir qualquer certeza
Até o que é mesmo belo
Aqui já não tem beleza

Vamos deixar que entrem
E fiquem com o que você tem
Até o que é de todos
Já não é de ninguém
Pedir que quebrem
Mendigar pelas esquinas
Até o que é novo
Já esta em ruinas
Vamos deixar que entrem
Nada é como você pensa
Pedir que sentem
Aos que entraram sem licença
Pedir que quebrem
Que derrubem o meu muro
Atrás de tantas cercas
Quem é que pode estar seguro?

Eu quero o mesmo inferno
A mesma cela de prisão - a falta de futuro
Eu quero a mesma humilhação - a falta de futuro

Eu quero o mesmo inferno
A mesma cela de prisão - a falta de futuro
O mesmo desespero

Comentários

Leandro Haupt disse…
Esses religiosos não podem ver a palavra inferno que ja acusam de "coisa do demonio". tsc tsc -_-
Iuri disse…
Hehe!! Também me chamou a atenção o "Hall 9000", personagem tão marcante no denso 2001, agora fazendo um "papelão" numa novela humorística na TV... Talvez seja culpa da decadência... tecnológica do já velho pensador digital de Kubrick e Clarcke...
Cassionei Petry disse…
Falando em Clarke, Iuri, 2010 não é o ano em que faremos contato?
Iuri J. Azeredo disse…
Sim! Estejamos preparados! Hehe!!

Numa lista de ufologistas (interessados em assuntos relacionados a óvnis e assuntos correlatos) e ufólogos (que se consideram estudiosos do assunto), na passagem de ano, postei uma mensagem que fazia alusão a este livro e filme. Filme que não teve o efeito do 2001. Eu consegui olhar só uns pedaços do 2010. Está na lista (gigantesca) de "filmes para ver". Dizem que vale, mesmo não sendo tão cabeção quanto o de Kubrick.

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …