Avançar para o conteúdo principal

Relendo “O estrangeiro”

Devido aos 50 anos da morte de Albert Camus, me deu uma vontade de reler alguma coisa dele, ou seja, meus planos de leitura para as férias já se modificaram. Planejar não é comigo.

Reli “O estrangeiro”, numa edição da minha biblioteca contendo anotações que fiz a lápis. Me chamou a atenção que, na primeira leitura, sublinhei várias vezes as palavras sol, suor, calor, e outras relacionadas ao verão da cidade da Argélia, onde se passa a história. Para quem não leu o romance, é importante saber que o personagem principal, Meursault, cometeu um assassinato e alegou ter matado por causa do sol. Desde o enterro da mãe do protagonista até o encontro na praia com os dois árabes, o sol e o calor são presença constante, parecendo influenciar as atitudes do personagem. Me veio à mente o quanto o verão me irrita, fico uma pessoa intratável devido aos dias quentes, pois transpiro muito e fico com a testa quase fervendo. Será que sou um assassino em potencial?

Agora, na segunda leitura, dei mais atenção para outro aspecto interessante que é a questão do ateísmo, presente em quase todos os textos de Camus. Meursault declara, indagado pelo juiz de instrução, não acreditar em deus. No entanto, me pareceu inverossímil essa afirmação, pois sempre que era perguntado sobre algo Meursault dizia ser indiferente. Quando sua namorada, Maria, perguntou se queria casar com ela, respondeu “que tanto me fazia, mas que se ela de fato queria casar, estava bem.“ Portanto, afirmar com convicção que não acreditava em deus e receber uma forte reprimenda do juiz me soou falso. Se interpretarmos o sol como alegoria para o conhecimento, como no “Mito da caverna” de Platão, percebe-se que o conhecimento o incomoda, que ele prefere sua vida simples, sem ambições, como ele disse ao seu patrão. Camus, portanto, forçou bastante ao querer colocá-lo como um personagem ateu, diferente do médico Rieux, de “A peste”, esse sim um ateu, pois tem convicção e motivos para sê-lo.

Aproveitei para assistir ao filme de Luchino Visconti, que é bastante fiel ao livro, mas muito distante em qualidade se comparado com outra adaptação do diretor italiano, “Morte em Veneza”.

Cenas do filme "O estrangeiro", de Luchino Visconti

Comentários

Eu não o entendi.
Você deixou um link na comunidade Camus e aqui vc diz que espera que não fiquemos à vontade.

Que estranho!

Mas gostei de seu blog.
Luis Fernando disse…
"O estrangeiro" e "A queda" são livros que vale a pena reler enquanto estivermos vivos.
Agora, essa questão do sol é séria, todo mundo fica um pouco mais nervoso e menos ponderado nos picos do verão. Pelo menos, eu fico.
Luis Fernando disse…
Nietzsche sempre disse que o conhecimento à moda platônica não passa de uma ilusão metafísica, ou a continuação da religião por outros meios. Por esse ponto de vista, o suposto desdém de Mersault pelo conhecimento seria perfeitamente adequado ao seu autoproclamado ateísmo.
Cytherea disse…
olá, sou o Renan, da comunidade de Albert Camus. vc deixou o link do seu blog lá.
bom, o que o Luis Fernando disse (desculpa a intromissão) calha perfeitamente ao que eu disse na comunidade. aliás, ele disse o que eu quis dizer, só que de modo mais culto e acadêmico. haha
Cytherea disse…
ah, bisbilhotei também o perfil do seu orkut. vi alguns dos livros que vc 'postou' no seu blog, não entendi bem, mas acho que vc quis dizer que escreveu sobre eles, certo?
enfim, o Lobo da Estepe me interessa muito.

e... eu tenho planos para estas férias também, mas é o de reler todos os meus livros.
espero que mantenha contato, a opinião de um professor (não é isso?) é bem importante pra mim.
Cassionei Petry disse…
Maria, a ideia é inquietar as pessoas com os textos que escrevo, por isso não quero que as pessoas fiquem à vontade.
Luis, "A queda" ainda não li. E não creio que quem tenha desdém pelo conhecimento seja ateia.
Chytherea, sim, lá eu coloquei os livros dos quais escrevi resenhas ou comentários. É muito demorado ficar acrescentando livros que li, ficaria séculos lá...hehe. Quanto ao Lobo da estepe, é um dos meus livro prediletos, vou escrever um dia sobre ele, para os "raros" lerem.
Cassionei Petry disse…
Cytherea, agora entendi, você quis dizer das fotos dos livros que postei no blog, não os que coloquei no apps "Veja meus livros". Os livros que postei foram os que disponibilizei para download. É só procurar em postagens bem antigas.
Cytherea disse…
ah, interessante!
não sou afeito a ler no computador, mas pode servir se eu quiser procurar algumas certas passagens.
Luis Fernando disse…
Não creio que quem tenha desdém pelo conhecimento seja necessariamente um crente. Por esse motivo, eu não duvidaria de Mersault.
Cassionei Petry disse…
Não vai ser necessariamente um crente, mas não vai ser taxativo quanto a descrença.
Luis Fernando disse…
Pois bem, Mersault não pode ser ateu porque isso exigiria uma convicção, e ele não tem convicções, certo? Até entendo o raciocínio, porém, ah, porém...
É necessário ter mais convicção para crer do que para descrer. E se toda a indiferença de Mersault derivar, justamente, do fato de ele não acreditar na transcendência? "Se Deus não existe, tudo é permitido"... penso (e suspeito que Camus também pensava) que Mersault é a encarnação dessa fórmula: o "homem absurdo" por excelência, a quem tudo é indiferente, exatamente porque a existência não possui um fundamento último.
Cassionei Petry disse…
O estranhamento, para mim, foi mais em relação às outras respostas.

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …