Avançar para o conteúdo principal

Anjos e demônios


Enquanto não leio "O código perdido", de Dan Brown, se é que vou ler, republico uma pequena resenha sobre "Anjos e demônios".

Cometi a façanha de ler todo o livro “Anjos e demônios”, de Dan Brown. Façanha por ter aguentado quatrocentas e poucas páginas de uma narrativa inverossímil. Arranquei os cabelos todas as vezes que, depois de páginas e páginas de ação, diálogos, e etc., o personagem principal olhava para o seu relógio com o desenho do Mickey e haviam se passado poucos minutos.
O que tem de interessante na história são as discussões sobre ciência e religião, em que pese haver uma clara defesa da segunda, o que faz com que o filme baseado na obra não vá incomodar tanto a Igreja Católica como o fez “O código da Vinci”, apesar do final "surpreendente", por ser ilógico. Gostei também das interpretações dos símbolos, assunto que me atrai sempre. Além do passeio por pontos de Roma onde há vários monumentos, o que me fez visitar várias vezes o Wikipédia.
Aliás, sempre leio com certa desconfiança o Wikipédia, que coloca com destaque Dan Brown em sua página sobre literatura. Ora, se se fizer uma comparação entre as duas principais narrativas do escritor, veremos que ele pega uma fórmula e a segue à risca para escrever um livro de sucesso comercial.
Quem quer ler uma peça da grande literatura, passe longe deste livro. Se desejar apenas entretenimento, é uma boa pedida. Ou assista ao filme.

Comentários

Este autor se vale do fato de a Maçonaria ser uma instituição fechada para explorar prováveis mistérios da mesma, faturando alto pela curiosidade da espécie humana. Não passa de um espertalhão que explora fatos históricos e os mistura com parco conhecimento da Maçonaria enchendo seus bolsos de dinheiro. É um Paulo Coelho mais competente.
Cassionei Petry disse…
Aí que está: ele faz ficção e não livro de história.
Luis Fernando disse…
Lembro do sofrimeno que senti pra terminar "O Código da Vinci". Que texto horrivelmente mal escrito. Concordo que o tema é interessante, mas o escritor Dan Brown é uma das coisas mais medíocres que já tive o desprazer de ler.
Cassionei Petry disse…
O código Da Vinci nem li, pois li muita coisa sobre o tema.
Luis Fernando disse…
Não é que tá passando "O Código da Vinci" na Globo? Filme ainda pior que o livro, rs.
V_ Leal disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
V_ Leal disse…
Uau, precisa de força pra ler esse livro, assim, aos solavancos.rs
O máximo que fiz foi ver o filme e depois correr pra algum europeu mais próximo.
Cassionei Petry disse…
Assisti ao filme ontem, não havia assistido antes.
V_Leal, obrigado pelo cometário e pela visita.

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …