Avançar para o conteúdo principal
Li no site de notícias do Terra o seguinte:
"Uma entidade religiosa americana decidiu se juntar aos milhares de doadores que enviam ajuda aos haitianos, depois do terremoto que devastou o país no dia 12. Mas, diferente da maioria, que manda água, comida e medicamentos, o grupo Faith by Hearing (A Fé Vem pelo Ouvir, em tradução livre) decidiu enviar bíblias em áudio que funcionam com energia solar. (...) O objetivo da organização é distribuir as bíblias em áudio entre o maior número possível de equipes de assistências às vítimas do terremoto. "Os haitianos terão que esperar por um longo período e seu conforto é saber que Deus não se esqueceu deles por causa desta tragédia", diz Wilke no site do Faith by Hearing."

Fico imaginando as vítimas escutando coisas como:
"A tua destra, ó SENHOR, se tem glorificado em potência; a tua destra, ó SENHOR, tem despedaçado o inimigo" (Exôdo 15:6)
"E o teu cadáver será por comida a todas as aves dos céus e aos animais da terra; e ninguém os espantará." (Deuterônimo 28:26)
"Então, o SENHOR fez chover enxofre e fogo, do SENHOR desde os céus, sobre Sodoma e Gomorra. E derribou aquelas cidades, e toda aquela campina, e todos os moradores daquelas cidades, e o que nascia da terra." (Gênesis, 19:25-26)
"e haverá, em vários lugares, grandes terremotos, e fomes, e pestilências; haverá também coisas espantosas e grandes sinais do céu." (Lucas 21:11)
e também do meu Espírito derramarei sobre os meus servos e minhas servas, naqueles dias, e profetizarão;
"e farei aparecer prodígios em cima no céu e sinais em baixo na terra: sangue, fogo e vapor de fumaça." (Atos 2:18-19)

É para consolar ou para assustar mais?


Comentários

Milton Ribeiro disse…
Utilíssimo, utilíssimo.Será que essas sumidades sabem que as línguas oficiais do Haiti são o francês e O CRIOULO ???
Leandro Haupt disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
Leandro Haupt disse…
Se fosse impresso ainda daria para fazer um foguinho...
Por que não enviam ostias e vinho u.u

A Fé vem pelo Ouvir... Coitados dos surdos...

*apaguei meu comentário acima porque escrevi bobagem :@*
Cassionei Petry disse…
Pode escrever bobagem, não tem problema...

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …