Avançar para o conteúdo principal

E-mail que recebi

Vai escrito de acordo como está na minha caixa de e-mail:

CARO CASSIO;
LI SUA OPINIAO NO JORNAL GAZETA E GOSTARIA DE COLOCAR MEU PONTO DE VISTA. NO INICIO DO TEXTO TEMOS A OPINIAO DE UM HOMEM DE DEUS( PASTOR CONHECEDOR DA PALAVRA DE DEUS) NO FINAL DO TEXTO , A OPINIAO DE UMA PESSOA INCREDULA NAO CONHECEDORA DA PALAVRA. GOSTARIA DE DIZER Į VOCE QUE DEUS EXISTE E NĆO É "BONZINHO" ELE É JUSTO COM QUEM É JUSTO, DEVEMOS SER RETO E JUSTO NA PALAVRA DE DEUS PARA ANDAR EMBAIXO DO MANTO DA JUSTIĒA DIVINA. CATOLICISMO É APENAS UMA RELIGIAO, UM CONJUNTO DE RITUAIS QUE NAO LEVA AS PESSOAS A LUGAR ALGUM. O DEUS QUER É QUE ACEITAMOS JESUS NA NOSSA VIDA E OBEDECEMOS A PALAVRA DE DEUS, A PESSOA QUE É DE DEUS JUSTA E RETA NA PALAVRA,
O MAL NAO ATACA.
É BEM VERDADE QUE O POVO HAITIANO REVENRECIA ENTIDADE MALIGNAS, ATRVES DE MACUNBAS E COISAS DO TIPO.
A PALAVRA DE DEUS DIZ : EXISTE DOIS CAMINHOS E SÓ UMA É A ESCOLHA,TEMOS LIVRE ARBITRIO. VAI VER LĮ QUANTAS PESSOAS CONHECE DE FATO A JESUS(O EVANGELHO DE DEUS),
O DEUS DELES É AS TREVAS EOS ESPIRITOS MALIGNOS EO RESULTADO É O QUE SE VŹ.
DEUS É BOM EO DIABO NAO PRESTA. O DIABO SEMPRE VAI USAR PESSOAS PRA DIZER QUE A DESGRAĒA QUE ASSOLA A HUMANIDADE NOS DIAS DE HOJE É OBRA DO ACASO OU COISAS NORMAIS.
GRAZIELA.

Quando escrevo, não quero agradar nem desagradar ninguém, mas sim dizer o que penso. Gosto da repercussão que os textos podem ter, seja positiva ou negativa. Quanto à opinião da moça, deixo para vocês, leitores, comentarem.

Comentários

Pois é meu caro professor teus leitores são de diversos níveis e isto penso seja um ponto positivo. Esta criatura por certo sofreu uma bela lavagem cerebral. Creio em Deus, pois não sou idiota o bastante para atribuir a vida e o universo ao mero acaso. O diabo é filho das religiões. Não professo religião alguma e tenho razões pessoais para tal. Quando sepultamos um de nossos filhos no dia em que completaria seus 19 asnos, minha esposa entrou em parafuso, literalmente falando e encontrou respaldo no Kardecismo. Pessoalmente defendo a tese de que aquele que a ciência define como Homo Sapiens para mim não passa do Homo Burrus, pois o desgraçado inventou a moeda como instrumento de troca e logo a seguir as religiões para buscar explicar sua origem. Com o correr do tempo a simples moeda virou em capital e quando este se junta com as religiões resulta sempre em merda. Vi não faz muito tempo cristãos se matando com tiros de canhão na Irlanda. Vejo no Oriente Médio judeus e palestinos se carneando como irracionais tudo tendo como pano de fundo fundamentos religiosos. Será que tua leitora teria capacidade de ler isto e começar a pensar por si própria?
Luis Fernando disse…
Os mortos do terremoto de Lisboa também eram todos macumbeiros? Os mortos dos tsunamis na Ásia também cultuavam o maligno? Os mortos em Angra dos Reis tinham pacto com o diabo? Os mortos na queda da ponte, no Jacuí, eram discípulos de Satã?

Sem comentários, o nível de ridículo a que algumas pessoas chegam é de cair o queixo. Depois de ler algo desse tipo, não vejo alternativa à humanidade que não seja a extinção total. Por excesso mortífero de ignorância.
Cassionei Petry disse…
Jorge, tu dizes: "Creio em Deus, pois não sou idiota o bastante para atribuir a vida e o universo ao mero acaso."
Então, para o senhor, eu sou idiota? mas tudo bem, não vou ficar bravo... De qualquer forma, seu comentário foi interessante.

Luis, se houver uma catástrofe em Santa Cruz, a moça por certo vai se salvar. Perguntei a ela o que acha de trechos da Bíblia que fala sobre a mulher se sujeitar ao homem. Estou esperando a resposta.
Meu caro professor desculpe-me pela agressividade em meu comentário. Isto é da minha natureza. Embora grosseiro não tinha eo propósito de ofender. Minha revolta decorre da ignorância da crente em seu comentário. O senhor usa bravo ao invés de brabo. Assim falam os paulistas.Ano passado uma amiga minha que colou grau em Letras usou bravo em um de seus textos.Fiz a ela esta observação e ela depois me respondeu que sua professora na faculdade dissera que não havia diferença. Fico na dúvida pois brabura para mim é bem difetne de brabeza. Poderia o amigo esclarecer tal de forma definitiva a mim e a tantos outros que estão confusos com o emprego deste vocábulo?
Cassionei Petry disse…
No dia a dia, no gauchês, falo brabo, mas para escrever prefiro bravo. Brabo, segundo o dicionário Houaiss, é uso informal. Bravo é o correto na linguagem padrão. Brabeza também é informal, o mais correto é braveza, o que ninguém diz. Bravura é usada só no sentido de ato de coragem, mas também pode-se usar no sentido de ferocidade.
Cassionei Petry disse…
Quanto a se ofender, não me ofendi não, até porque às vezes digo (mas não escrevo) que quem acredita em deus é idiota, mas na verdade não posso achar pessoas como o senhor, minha esposa ou minha mãe como idiotas, pois não são. Abraço e continue lendo e comentano no meu modesto blog.
Roger disse…
Muita maluquice, nesse e-mail da Graziela... :(
Jorcenita disse…
"O DEUS DELES É AS TREVAS EOS ESPIRITOS MALIGNOS EO RESULTADO É O QUE SE VŹ.(...)DEUS É BOM EO DIABO NAO PRESTA.(...)A PESSOA QUE É DE DEUS JUSTA E RETA NA PALAVRA,
O MAL NAO ATACA." (...)
Faz algum tempo que não leio/ouço tanta asneira...desde que saí da igreja. Lamentável o comentário desumano da Graziela.
Cytherea disse…
Infelizmente, não podemos criticar pessoas como Graziela. Esse comentário dela é tão trágico, tão funesto para um país quanto a catástrofe que houve no Haiti.
Cassionei Petry disse…
Roger, Jo e Cytherea, obrigado por comentarem.
M disse…
Fui ler isso agora. Crise de riso.

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …