Avançar para o conteúdo principal

O santo e o deputado

Quem não lembra ainda de uma das frases marcantes de 2009: “Estou me lixando para o povo.” O autor da frase foi o deputado federal Sérgio Moraes, de Santa Cruz do Sul, cidade da qual foi prefeito por 8 anos e que agora está nas mãos de sua esposa Kelly Moraes. Pois a atual prefeita declarou ao jornal Gazeta do Sul que está nos planos de 2010 construir uma imagem gigante, com 38 metros, de São João Batista, padroeiro da cidade.

O que está causando mais polêmica, porém, não é tanto o gasto desnecessário com um monumento desses, mas sim o modelo da imagem, doado pelo pároco da Catedral São João Batista. O rosto do santo é semelhante ao do deputado Sérgio Moraes. Kelly diz que é uma mera coincidência. Além disso, a imagem será erguida na localidade de Cerro Alegre, justamente de onde o deputado é natural.

O leitor do blog que tire suas conclusões.

Fonte da imagem: Gazeta do Sul

Fonte da foto: camara.gov.br

Comentários

M disse…
Ridículo. Há tanta coisa a ser feita, e gastam com essas porcarias; lixos que não acrescentarão em merda nenhuma de maneira considerável³.
Aliás, "estou me lixando para o monumento".
Cassionei Petry disse…
O pior que são verbas federais destinadas exclusivamente para turismo religioso.
Luis Fernando disse…
Do jeito que 2010 começou, vamos ter que rezar bastante esse ano. Ave, Sérgio! Não é que ele pensa em tudo?
confesso a vocês que conhecendo Santa Cruz do Sul onde rodava um jornal em 1996 e sabendo da pujança econômica da cidade e de sua universidade que é das melhores deste estado não consig como compreender como seu povo elege um merda destes. E o pior ele tem a cidade na mão, pois sua mulher é a chefona da Prefeitura.
Vou questionar o Ruy Gessinger filho daí sobre este fenòmeno e igualmen meus amigos aí na Gazeta do Sul.
Cassionei Petry disse…
Jorge, eu votei nele em 96 acho, influenciado pela família, que via nele uma oportunidade de mudança depois de anos de Frantz, Hermany & Cia. Ltda. Mas quando comecei a ter um mínimo de senso crítico, nunca mais votei. Mas é coisa de brasileiro mesmo, que gosta de caras populistas e "carismáticos".

Luis, já imaginou a população da nossa cidade indo acender velas e se ajoelhar em frente ao S. João Sérgio Batista Moraes.
Luis Fernando disse…
A romaria de Schoenstatt vai perder adeptos... hehe.
Cassionei Petry disse…
E a cruz, criada no governo Hermanny?
Barbara disse…
A Cruz do Hermany custou menos do que o chafariz da frente do Parque da Oktoberfest. Isso é uma piada. Eu juro, que se a Kelly construir essa estátua idiota, vou ser a primeira a pichar e depredar aquela porcaria. E tenho dito.
Cassionei Petry disse…
Valeu pelo comentário, Bárbara.
Luis Fernando disse…
A cruz, além de muito barata, também não tinha o Hermany crucificado.
Cassionei Petry disse…
Mas podia estar lá, hein?
Robson Duarte disse…
É brincadeira usarem dinheiro público em coisas que o povo nem, sequer, é questionado. Acabo concordando com a idéia de pichação e depredação da colega aí de cima e acho bom o pessoal da prefa se prepara pa limpeza ou, talvez até, pelo recolhimento dos escombros.

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …