Avançar para o conteúdo principal

Firmin (III)

 Ilustração de  Fernando Krahn



Mais um trecho de Firmin, de Sam Savage (aqui, na edição da Seix Barral), que será tema do Traçando Livros de amanhã:


"Yo siem­pre había imaginado que un verdadero escritor —como yo, en mis sueños— dedicaría gran parte de su tiempo a estar instalado en los cafés, sosteniendo ingeniosas char­las con gente chispeante y que de vez en cuando regresa­ría a casa con una chica de larga cabellera negra, a quien pondría en la puerta a la mañana siguiente, para reanu­dar su trabajo: «Lo siento, muñeca, tengo un libro que escribir.» Lo imaginaba encerrado en su cuarto durante días, bebiendo litros de whisky en un vaso de Woolworth y tecleando en su Underwood hasta altas horas de la madrugada."

Comentários

Jorcenita disse…
Tenho um livro que me acompanha há anos: "Tudo o que você precisa ler sem ser um rato de biblioteca." Questionável o título, não é mesmo? Ao ser apresentada ao Firmin, e saber em como ele compreendeu o poder redentor da literatura, dá vontade de ler sempre mais, até ser confundida com uma rata de biblioteca. E se um dia eu acordar de sonhos intranquilos e me ver metamorfoseada em rata?!
Cassionei Petry disse…
Sempre dentro de uma biblioteca tu já estás, rsrs. Pena que esse livro não tem na Unisc, somente o outro do Sam Savage.
Jorcenita disse…
O livro do Firmin já deve estar chegando, foi pedido no mês passado.
Veja que curioso, em Pelotas eu 'vivia' no porão da Biblioteca Pública Pelotense, aqui na Unisc estou no único andar da Biblioteca com a maioria das pessoas. O próximo destino certamente será um andar mais acima, hehehe, uma grande biblioteca, talvez como aquela imaginada e descrita por Borges.
Cassionei Petry disse…
Tua história se confunde com uma biblioteca.

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …