Avançar para o conteúdo principal

No Traçando Livros de hoje, Firmin, de Sam Savage


No Traçando Livros de hoje, no jornal Gazeta do Sul, escrevo sobre o romance Firmin, de Sam Savage: http://www.gaz.com.br/gazetadosul/noticia/352777-descobertas_de_um_rato_de_livraria/edicao:2012-06-20.html

Descobertas de um rato de livraria

Quando estudava no Curso de Letras, a pasta que eu utilizava para carregar meu material tinha estampado um desenho de um rato. Certa vez, sonhei que esse roedor ganhara vida e saíra percorrendo as prateleiras da Biblioteca da Unisc devorando todos os volumes. A clássica expressão rato de biblioteca ou de livraria só rivaliza com a da traça, igualmente apreciadora de livros, e que motiva o título desta página quinzenal. Inspirado nesse animal odiado por muitos, o escritor americano Sam Savage escreveu uma pequena obra-prima sobre a paixão pela literatura e pelo conhecimento.

Firmin, romance publicado no Brasil pela editora Planeta, é o nome do rato que, de tanto roer as páginas dos livros de uma velha livraria, acaba incrivelmente aprendendo a ler e desenvolve uma inteligência igualmente incomum. Tudo é narrado por ele próprio, que afirma: “Estou convencido de que estas páginas mastigadas contribuíram para a base nutricional do que modestamente denominarei meu insólito desenvolvimento mental”. 

Iniciando pelo seu nascimento, num ninho feito pela sua mãe com folhas de um romance de Charles Dickens, a história prossegue através das peripécias do roedor para tentar comer e depois ler o máximo possível de livros. Num primeiro momento, os devora de forma desordenada. Depois, porém, passa a refinar o gosto: “Me dei conta, em princípio, de que cada livro possuía um sabor distinto – doce, amargo, azedo, agridoce, rançoso, salgado, picante –, e conforme foi passando o tempo e meus sentidos ganhavam em perspicácia, cheguei a captar o sabor de cada página, de cada frase, e finalmente de cada palavra.” Por último, passa a mastigar apenas as margens e a ler o conteúdo das páginas, numa obsessão a que denominou de “bibliobulimia”.

Devido a seu desenvolvimento intelectual, Firmin tenta se comunicar com Norman, o dono da “Livros Pembroke”, em cujo depósito o rato nasceu. (“Não suportava a ideia de passar o resto dos meus dias em silêncio”.) Não conseguindo usar a enorme máquina de escrever, tenta a linguagem de sinais, mas ambas as tentativas são frustradas. Quase morre ingerindo veneno, se salvando porque consegue ler o rótulo da embalagem do que pensava ser uma refeição oferecida por Norman. Andando pela cidade, busca se comunicar com duas deficientes auditivas, mas acaba sendo perseguido e, ao tentar fugir, sofre uma fratura na perna. É acolhido pelo escritor de ficção científica Jerry Magoon, que morava no mesmo prédio da livraria. Mais não digo para não estragar algumas surpresas.

Alegoria sobre a condição humana, a obra nos provoca a refletir sobre nossa condição de ratos enfrentando um mundo perverso. A literatura nos faz descobrir quem somos, é como olha na pequena abertura no teto onde Firmin observava a livraria quando estava no sótão: “Era uma janela para o mundo dos humanos, minha primeira janela. Nesse sentido, vinha o ser o mesmo que um livro: por ela poderia aparecer mundos que não eram os meus”.

 Sam Savage, nascido em 1940, é Doutor em Filosofia, e só aos 65 anos publicou seu primeiro livro. Ainda bem desconhecido, em que pese Firmin, publicado originalmente em 2006, ter se tornado um best-seller em muitos países, é um escritor que merece ser descoberto por quem vê na literatura uma paixão. Outra obra sua publicada no Brasil é o romance Cartas de um escritor solitário, em que, assim como em Firmin, também explora a metaliteratura. 

Cassionei Niches Petry é mestrando em Letras, com bolsa do CNPq. Já foi um rato de biblioteca. Hoje se considera uma traça, mais insignificante ainda. Escreve regularmente para o Mix e mantém o blog cassionei.blogspot.com.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …