Mais um dia

Mais um exercício poético deste narrador que ainda não sabe por que está poetando. Na verdade, originalmente ela foi escrita para ser uma letra de música.


Mais um dia

 
Já se passou mais um dia,
E nessa noite fria
Mais uma vez estou só
Posso não ter insistido
Eu me dei por vencido
Mas pra mim foi melhor
Só de ouvir as bobagens que você me falou
E as outras tantas que eu também cometi
Faz de conta que eu não ouvi
Que você nada escutou
Finja que nunca existi

Agora consigo viver minha vida
E meu ponto de partida
É conseguir me encontrar
Se escolhi o sossego
É porque tenho medo
Prefiro imaginar
Só de pensar que não sou mais bem-vindo
Que é para outros olhos que você sorri
Faço de conta que estou aí
Que estou vendo você dormindo
Finjo que nunca te perdi

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Uma resenha que não aconteceu