Avançar para o conteúdo principal

Harold Bloom no Traçando Livros de hoje

 Minha coluna de hoje no jornal Gazeta do Sul é sobre um dos livros do crítico literário Harold Bloom:http://www.gaz.com.br/gazetadosul/noticia/350197-da_incoerencia_como_qualidade/edicao:2012-06-06.html.


Da incoerência como qualidade
Cassionei Niches Petry

Os grandes escritores devem ser incoerentes. Aquele que mantém uma ideia ou uma ideologia e deixa transparecê-las em toda a sua obra não merece meu reconhecimento. O artista não pode nos dizer verdades, mas sim nos fazer questioná-las. O mesmo vale para o crítico literário. 

Harold Bloom, professor da universidade de Yale, nos Estados Unidos, escreveu um livro tão adorado e, ao mesmo tempo, detestado por muitos: O cânone ocidental. Nessa obra, Bloom comenta sobre escritores que para ele são os melhores, “obrigatórios em nossa cultura”, lembrando que a palavra cânone nos remete ao que serve de modelo, o padrão e, no sentido religioso do termo, o que deve ser aceito sem ser questionado, um dogma. O mesmo ensaísta, no entanto, escreveu outro livro, intitulado Abaixo as verdades sagradas, cuja edição de bolso está sendo lançada pela Companhia das Letras, com tradução de Alípio de Franca Neto e Heitor da Costa. Incoerência? Ou ironia?

Falar sobre a verdade sempre implica em contradições. Se afirmo que a verdade é relativa, essa afirmação torna-se relativa da mesma forma, afinal, uma afirmação sempre pretende dizer algo verdadeiro. Derrubar verdades, por conseguinte, resulta em criar outras que, por sua vez, podem ser derrubadas também. As análises de Bloom vão mais além por questionar o que é sagrado, começando pelo primeiro capítulo, que aborda a Bíblia hebraica. Retoma, inclusive, a teoria de que ela teria sido escrita por um autor denominado Javista, ou simplesmente J., comparando com a “hipótese” Homero, que escreveu os poemas épicos Ilíada e Odisseia, monumentos da literatura grega.

O capítulo inicial serve de prólogo ao resto do livro, pois a poesia e a crença são o mote principal, relacionados a outra teoria recorrente na obra de Harold Bloom: o agon. Para o crítico, o agon literário é “a luta de cada indivíduo para responder ao tríplice problema concernente às forças em disputa do passado e do presente: mais? Igual a? ou menos que?”. Ou seja, o poeta tem um embate forte com aqueles que vieram antes dele, o que Bloom chama também de “angústia da influência”.

Dante, Shakespeare (o inventor do humano, segundo Bloom), Milton e Kafka, a quem são dedicados capítulos do livro, influenciam os autores que vêm depois deles, mesmo quem não os tenha lido. É uma influência da qual não se pode escapar. A afirmação de Bloom pode ser comprovada pela obra do contista Murilo Rubião. Quando o autor de O pirotécnico Zacarias começou a chamar a atenção da crítica devido a sua obra, logo ele foi comparado a Kafka. Rubião, no entanto, afirmou que nunca lera o autor de A metamorfose antes de escrever seus primeiros contos. Não adiantou, pois ele continuou sendo considerado o representante da literatura kafkiana no Brasil.

Abaixo as verdades sagradas introduz na obra de Harold Bloom o leitor menos especializado, pois praticamente todos os seus temas são discutidos, destacando a visão de que a poesia é a forma essencial de conhecimento, mais do que qualquer crença. Quem quiser saber sobre o ser humano, deve conhecê-lo através da arte que melhor o retrata, a literatura, que é tão incoerente e contraditória como somos todos nós.

Cassionei Niches Petry é mestrando em Letras, com bolsa do CNPq. Busca ser coerente na sua incoerência. Escreve regularmente para o Mix e mantém o blog cassionei.blogspot.com.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …