Avançar para o conteúdo principal

As múltiplas personalidades do escritor

Mais um cronista que gosto de ler é o Juremir Machado da Silva (aliás, inimigo do LFV), apesar de ele escrever para um veículo de comunicação do (argh!) Bispo Edir Macedo. Como estou escrevendo uma resenha (sai amanhã aqui e quarta na minha coluna na Gazeta do Sul) sobre um livro dele, achei interessante sua crônica de hoje, que aborda as contradições do escritor.

Múltiplas personalidades

Juremir Machado da Silva

Outro dia, num papo sobre Alfeu e Maniqueu, dois caras lá de Palomas, esta coluna babou no lenço vermelho ao dizer que a Pérsia é onde hoje está o Iraque. Leitores trataram, com toda razão, de chicotear o lombo do colunista com um rabo-de-tatu. Em lugar de Iraque, obviamente, devia estar escrito Irã. Talvez o lapso se deva ao fato de que Irã e Iraque têm agora um ponto em comum: as más relações com os Estados Unidos. Se bem que o Iraque já está ocupado. Com o Irã, pelo jeito, a parada será mais cara. Ou o erro é fruto das minhas múltiplas personalidades. Como sabem, eu não sofro de múltiplas personalidades. Gozo delas. Quer dizer, gozo com elas. Tem um cara dentro de mim (opa!, metaforicamente falando) que adora me pregar umas peças. Mas eu gosto muito dele.

Não é por acaso que a Record-RS, numa linda promoção dos meus livros, "Getúlio", "Solo" e "Aprender a (vi)ver" (um pacote por modestos R$ 35,00, a barbada do ano), está enfatizando justamente esse aspecto. Durmo escritor maldito, acordo cronista positivo, passo o dia como autor de romances históricos. Vez ou outra, todos se misturam e até brigam. Ou saem para tomar um vinho juntos. Acabam disputando a conta. Paga quem vende mais. A Record-RS está fazendo história por aqui. Além de incomodar a concorrência, quebrou o monopólio dos autores com direito à divulgação. Havia um clube com direito a lançamentos com cobertura de mídia e matérias quando festejavam aniversário ou faziam longas viagens até São Paulo. A Record-RS abriu o leque. Está oferecendo aos assinantes do Correio do Povo autor local com preço excepcional.

Aí o meu lado cronista positivo falou assim:

- Que beleza! Quem planta e cuida, acaba por colher.

Meu lado escritor maldito e cínico não perdoou:

- Aí, meu, está se dando bem, hein!

Meu lado escritor de romances históricos ponderou:

- Ao longo do século XX, a relação entre preço, divulgação e conteúdo tem sido decisiva para a consolidação dos projetos estéticos dos escritores.

- É isso mesmo. Não basta escrever, é preciso encontrar as condições adequadas de disseminação da obra - exultou meu lado positivo, terno, otimista e sempre batalhador.

- Que papo mais cabeça - sentenciou meu lado maldito.

- Adorei as fotos, especialmente a do charuto. Tu tens jeito para Getúlio - disse meu lado positivo.

- Tu? Ou eu? - questionou o maldito.

- Nós - respondeu o positivo.

- Cada um no seu tempo - equilibrou meu lado histórico.

- Aquela touquinha peruana, não sei, não? Ui, ui, ui!

- Mas aquele és tu, maldito!

- To fora! Não me consultaram.

- O importante é a perspectiva - diz o historiador.

- Vai ser um sucesso - vibra o positivo.

- Quero ver só se vai vender - fustiga o maldito.

- Pô, cara, tu és maldito, não mala - gritam os outros.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …