Avançar para o conteúdo principal

Plágio de Chico Xavier

Faça a comparação.

A primeira estrofe do poema atribuído ao espírito de Augusto dos Anjos, no livro “Parnaso do além-túmulo”, de Chico Xavier:

Vozes de uma sombra

I

Donde venho? De era remotíssimas

Das substâncias elementaríssimas

Emergindo das cósmicas matérias.

Venho dos invisíveis protozoários,

Da confusão dos seres embrionários,

Das células primevas, das bactérias.


E aqui o poema original de Augusto dos Anjos, um dos nossos maiores poetas:

Monólogo de uma sombra

«Sou uma Sombra! Venho de outras eras,
Do cosmopolitismo das moneras...
Pólipo de recônditas reentrâncias,
Larva de caos telúrico, procedo
Da escuridão do cósmico segredo,
Da substância de todas as substâncias!

No mínimo, CX agiu de má-fé ao atribuir esses versos a Augusto dos Anjos. Ele não ia reescrever para piorar sua própria obra.

Comentários

Mirella disse…
Augusto dos Anjos é tão cativante!
Luis Fernando disse…
Foi direto no ponto, Cassioney. Por que Augusto dos Anjos escreveria uma versão, e empobrecida, do "Monólogo de uma sombra"?

Isso é uma fraude.
Cassionei Petry disse…
Fiz essa comparação pois estou participando de um debate na comunidade da revista Superinteressante no Orkut, sobre o CX.
luciaweis disse…
Será? Pode ser...
Barata disse…
Como bem escreveu Luis Fernando: porque razão AA, mesmo no "além" reescreveria de forma piorada algo que já tinha escrito? O preocupante é que CX fez isso com um monte de poetas e escritores. A ignorância e a fragilidade das pessoas fez com que esse tipo de atitude desse a ele uma notoriedade que jamais teria. E isso ainda me lembra um certo cidadão, um tal de Luis Gasparetto, filho da "grande" escritoria Zibia, que tinha um programa de TV onde recebia espíritos de grandes pintores e pintava quadros... Até quando as pessoas vão acreditar nestes enganadores????
https://www.youtube.com/watch?v=9m0oVQwduYk

Neste video, minutagem 9:40 , Chico Chavier responde uma pergunta admitindo que não tinha cabeça pra ouvir e compreender todo o poema, para mim fica claro que ele estava recebendo corretamente mas não tinha condições de transcrever , por isso seu texto está 'empobrecido' ... Augusto dos Anjos seguia recitando seu poema no além . Meus repeitos so grande servidos da humanidade Chico Chavier, que dedicou a vida alertar os humanos sobre os ensinamentos de Jesus, sobre o Amor e a Compaixão.

Ase
T+
Cassionei Petry disse…
Grato pelo comentário, mas como não tenho essa crença, a faça dele não me convence. Respeito tua opinião.
Você é atriz mesmo ou só um fake dela? Abraço.

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …