O sono da razão...

O sono da razão gera monstros, de Francisco Goya

Sobre o sonho que tive, tenho uma provável explicação para ele agora. Acontece que ontem tive que enfrentar duas idas a uma igreja para participar da celebração da Páscoa organizada pela escola onde leciono. No dia em que eu sonhei, só pensava em protestar e não entrar na igreja. Mas não fiz isso, bem pelo contrário, ainda gritei com alunos que se negavam a entrar e tirar seus bonés (é verdade que por birra, não porque eles não acreditassem em uma divindade). Sinto-me sozinho, deslocado sempre que as pessoas falam em religião, pois para os outros parece que é natural acreditar, não imaginam que existem pessoas descrentes. O que consegui, mas tremi nas bases, confesso, foi negar o pedido da vice-diretora de fazer a leitura do evangelho. Aí é demais!

Também pensei no seguinte: a “santa” sou eu! Sim, pois as salas pelas quais ela passa, enfrentando uma “massa” de animais, podem ser as salas de aula e os alunos. Quando o dia acaba, parece justamente que passei por uma provação, e é o que sinto. Agora só falta morrer, aí vocês, leitores, divulgarão o culto ao São Cassionei.

Comentários

Mirella disse…
AÊ, SÃO CASSIONEI!
Robson Duarte disse…
Tchê, boa essa sobre os dicionários de sonhos. Sempre defendi essa idéia de que cada sonho tem um significado pra cada um.

Quanto a situação sobre descrença, ela piora nessa época de datas religiosas.

Quero te pedir um favor, se não for muito. Poderia fazer uma postagem sobre essa coisa de não comer carne na sexta-feira santa que, eu acho, possui algum equívoco?
Mirella disse…
São Cassionei só não faz milagre em boletim de aluno! OU FAZ?