Avançar para o conteúdo principal

Eis o conto

Estejam à vontade para criticar, quero opiniões sinceras.

Caixa de Pandora

por Cassionei Niches Petry

Não, não. Não toque aí. Não pode abrir essa caixa. Deixe isso onde está. Por quê? Outro dia eu conto. Lembra do mito de Pandora? Então, se fosse há algumas décadas um jovem como você diria que era só um planeta de um filme famoso. Não sei nem porque guardo isso ainda. Hoje não, outro dia vou estar mais disposto. Preciso me preparar. Não é tão fácil falar sobre uma época complicada das nossas vidas. Amanhã, então. Vamos continuar aqui, pegue aquelas caixas.

***

Foi um pouco antes do chamado colapso de energia. Naquela época tudo girava em função da energia, fosse hidrelétrica ou de outras fontes. As pessoas escreviam em computadores, aliás, faziam quase tudo pelo computador, se é que você me entende. Os livros estavam deixando de existir porque havia pequenos objetos que armazenavam milhares deles. No supermercado, as atendentes usavam pequenas armas que jogavam luzes nas embalagens para saber o preço dos produtos e fazer a soma, até porque as pessoas compravam tudo em grandes quantidades. No banco, podíamos fazer operações financeiras em caixas automáticos. Os telefones eram móveis, podíamos atender em qualquer lugar, enfim. Se tudo era mais fácil? Em princípio sim, mas com as constantes quedas de energia as pessoas ficavam atordoadas, todo um trabalho podia se perder. Sabe aquele poema do Drummond, o “Cota Zero”? Ele questiona se quem parou foi o homem ou o automóvel. Ora, se pensarmos que ao falar em automóvel ele está se referindo às máquinas, podemos fazer a seguinte análise: ao dar o título de “Cota Zero” ao poema, está querendo dizer que alguém está perdendo sua parte em alguma coisa. No caso, quem pode estar perdendo seu lugar é o homem, já que a máquina estava, naquela época, tomando conta de tudo. Isso que quando ele escreveu não existiam muitas novidades tecnológicas ainda. Mas podemos questionar: se o homem para, a máquina também para, afinal, quem faz o carro parar? Então, se o homem para, as máquinas, consequentemente, vão parar. E se elas param, o homem também para. Era um sábio, o Drummond, falando sobre a dependência do homem às máquinas, prevendo o que iria acontecer.

Conheci sua avó em uma fila de uma loja (esse era um dos lados ruins dessa época, existia fila pra tudo). Eu estava comprando pilhas e baterias recarregáveis para meus aparelhos eletrônicos. As crianças da minha geração só queriam brinquedos eletrônicos e depois de adultos ainda encontravam em aparelhos eletrônicos seu divertimento. Eu era vidrado em tudo que se referia à tecnologia e nem sei como não sinto falta de nada. Músicas, filmes, livros, quadrinhos, conversas e, principalmente, jogos. Tudo estava nos meus brinquedinhos, que já não tinham nada de infantil.

Como você está percebendo, ela me conheceu assim, sabendo do que eu gostava. Casou comigo sabendo que eu seria ainda o crianção que ficaria boa parte do dia com seus brinquedinhos. Então ela não deveria ter feito o que fez. Lógico, eu não estava dando a atenção que ela merecia. Sempre fui muito fechado, ela sabia disso. E ela não dava mostras de que estava chateada com isso. E quando mostrou sua revolta, foi logo fazer aquilo?

Foi a primeira e última briga que tivemos. Claro que eu fazia sexo com ela, se não você nem estaria aqui, poxa! Mas você não tem idéia do que é estar jogando e passando de níveis, aquilo deixava qualquer um vidrado, bater o recorde, superar os limites e saber que você está superando uma máquina. Então naquele dia ela me chamava pra cama e eu dizia para esperar, eu estava superando meus limites e tinha que continuar jogando. Ela chamou ainda duas vezes e eu não respondi. Depois parecia ter desistido e eu continuava ali, estava indo cada vez mais longe, já tinha matado não sei quantos personagens. Foi quando senti o game ser tirado das minhas mãos de uma forma brusca e só o vi destruído com o impacto na parede. Olhei para ela. Ela percebeu o ódio no meu olhar, mas senti também o mesmo ódio nos olhos dela. Fechei os punhos e descarreguei no seu rosto tudo o que eu não tinha descarregado no jogo.

Ela ficou em coma uns meses, mantida viva justamente por uma máquina, e depois morreu. Fiquei preso durante alguns anos. Nesse meio tempo fiquei privado dos meus brinquedos, até porque logo começou o colapso e os governos de todo o mundo passaram a proibir a maioria dos aparelhos eletro-eletrônicos. Recolheram tudo o que podiam e incineraram. Mas alguns foram desviados e vendidos no mercado negro por preços exorbitantes. Quando saí para o sistema condicional, a primeira coisa em que pensei foi trabalhar para comprar um game. Só que demorei tanto para isso que, quando consegui comprar, já nem tinha mais vontade de jogá-lo. Aliás, tinha comprado um dos últimos modelos, que eu não conhecia por estar na prisão. Cheguei a ligá-lo, porém, quando vi o que ele continha, pensei na sua avó e nunca mais voltei a tocá-lo.

Sei que nunca falaram sobre isso com você. Nunca pensei que eu ia precisar contar também. Espero que não fique chateado com seu avô, pois hoje sou outra pessoa. O colapso ajudou bastante. Passei a ler bem mais e, consequentemente, dei outro valor para a vida. Nessas alturas você já sabe o que está guardado dentro da caixa, meu neto, e o perigo que aquilo pode representar. Mas como confio em você, tenho certeza de que não vai abri-la. Posso confiar?



Comentários

Robson Duarte disse…
Minha opinião:

Achei ótimo, só não gostei dos sucessivos "para" no parágrafo do Drummond.

Fora isso está bem agadável pra ler e fácil de situar os ambientes.

E essas porcarias de jogos consomem agente mesmo. Sei por mim.
Cassionei Petry disse…
Os "paras" foram propositais,lembre que é uma conversa e também para frisar o ponto de vista. Mas valeu pelo toque.
Fernando Prates disse…
Achei muito bom. Muito bom mesmo. E não acredito que os sucessivos "para" tenham prejudicado parte alguma do texto.

Um abraço, Cassionei!
Iuri disse…
No final de semana li um conto de ficção científica chamado “A Caixa de Pandora”, do Alexandre Raposo, publicado na sua coletânea “Éden 4” (Record, 2001). A caixa, no caso (ou melhor, no conto), é a sonda Viking (não sei se a 1 ou 2, tenho que conferir), achada – “há muitos e muitos milhares de anos” após seu lançamento – vagando no espaço, por uma civilização no centro da Via Láctea, e que acarretou uma série de efeitos nos “descobridores”.

Conheci Raposo lendo uma ficção histórica muito do legal, “Inca”, contando em panorâmicas, na forma de um romance, o surgimento, desenvolvimento e ocaso do império na região do Peru.

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …