Avançar para o conteúdo principal

Minha coluna na Gazeta do Sul de hoje


Resenha sobre o livro Solo, do Juremir Machado da Silva, na minha coluna na Gazeta do Sul de hoje.
Soluções para a vida

Não dá para levar a sério o Juremir Machado da Silva. Mesmo quando ele escreve sobre assuntos sérios. Sua ironia implacável engana muito gente. Quem não conhece seu estilo, pensa que ele não tem modéstia nenhuma, pois seguidamente se considera um dos maiores escritores do Brasil. Aliás, quase escrevo Machado de Assis como seu sobrenome. Muitas de suas crônicas lembram a autobiografia Ecce Homo, de Nietzsche, cujos capítulos são pérolas do egocentrismo, como “Por que sou tão sábio” ou “Por que escrevo livros tão bons”. E, assim como o filósofo que preconizou a morte de Deus, Juremir é um crítico dos costumes, da política, da mídia. Tem como objetivo derrubar ídolos, tanto nos textos do Correio do Povo e do seu blog, como nos programas de rádio em que participa. E também nos livros.
Um dos alvos de Juremir (me permitam usar o primeiro nome dele, resultado de uma intimidade de quem o lê e o escuta quase todos os dias) são os livros de autoajuda. Ironicamente, intitulou uma coletânea de crônicas deAprender a (vi)ver. Fico imaginado quantas pessoas compraram o livro procurando mensagens edificantes, ou quantos livreiros o colocaram nas prateleiras de autoajuda. Li até uma crítica em que o leitor achou o livro fraco devido à utilização de chavões dessa área. Mas Juremir escreveu um livro de autoajuda para, com sua ironia, criticar a autoajuda. Ou, como ele mesmo afirmou em sua coluna há alguns dias, é a demonstração de como ele é contraditório.
No seu romance mais recente, Solo (Editora Record, 367 páginas), Juremir aborda mais uma vez a busca pelas soluções fáceis para os problemas. O que faz as pessoas procurarem esses paliativos? O personagem, um publicitário inteligente e sarcástico, resolve se trancar dentro de casa para assistir televisão e ler best-sellers. Seria uma tentativa de retroceder intelectualmente, após uma crise de existência por perder a esposa? Adora a “filosofia” do Louro José e o Canal Rural. Lê Dan Brown e Paulo Coelho. Não deixa de criticar esse caminho do emburrecimento. Segue, porém, esse mesmo caminho, para ver até onde vai dar. Claro que ele, conhecedor também da boa literatura, cita o poeta espanhol Antonio Machado: “Se hace camino al andar”. É o que ele faz. Em busca do autoconhecimento vai à Europa e depois ao Peru, numa “jornada de iniciação”. Se ele se encontra ou se desencontra, só lendo o livro para saber.
Juremir utiliza frases curtas, impactantes. Principalmente nas suas crônicas. É o chamado soco no estômago. No livro, esse estilo se encaixa bem devido à profissão do protagonista. Um exemplo: Com duas ou três frases de duplo sentido, pode-se ficar rico anunciando porcarias. Tentei minha grande sacada com um slogan para uma campanha de papel higiênico. (...) Bolei algo clean: “Conheça o seu papel na vida”. Ele narra a sua história como se estivesse conversando com o leitor. Destila um veneno contra as imbecilidades da mídia, das religiões, da política, dos meios intelectuais. Mas, principalmente, contra as pessoas cuja única função na vida é fazer m..., quer dizer, menos coisas importantes do que poderiam fazer.

Comentários

Luis Fernando disse…
Essa página ficou boa, hem.
Cassionei Petry disse…
Pois é, Juremir e Luc Ferry!
Pena que cometi um erro de concordância no último parágrafo e passou batido pela edição.

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …