Avançar para o conteúdo principal

Diário crônico XI – Professor bom é o macaco de auditório


Sala de aula no Japão. Década de 40. A chegada do professor é anunciada e os alunos respeitosamente levantam-se de suas classes e fazem a reverência ao mestre. Ele se posiciona atrás de sua mesa, em meio à fumaça de cigarro que ficou no ar. Repreende os alunos por isso, mas aproveita para brincar com a situação, dizendo que também gostaria de fumar. Após alguns risos, anuncia que, depois de mais de 30 anos em sala de aula, vai se aposentar e dedicar-se a carreira de escritor, pois os seus livros estão obtendo uma boa venda. Seus alunos, inconformados, afirmam que mesmo assim continuará sendo o mestre deles, assim como continua sendo dos seus pais, que o chamam de ouro maciço, uma barra de ouro sem impurezas.
Esse é o início de Madadayo, derradeiro filme de Akira Kurosawa, um dos maiores diretores da história do cinema. Lançado em 1993, traz a história de Hyakken Uchida, adorado e respeitado por seus alunos os quais o visitam regularmente depois de sua aposentadoria. É um dos tantos filmes cujo protagonista é um professor e dos poucos em que ele é respeitado desde o início, não apenas no final, depois conseguir conquistar e agradar o aluno após várias situações de conflito.
Ontem assisti a um vídeo real compartilhado nas redes sociais em que um aluno nos Estados Unidos, ao ser convidado a ser retirar da sala de aula, faz um discurso contra a professora. Cabelos ao vento ao melhor estilo Axl Rose nos anos 90, o jovem dispara sua indignação por não estar aprendendo nada, acusa-a de ficar sentada o tempo todo e apenas os manda ler e ler. E ele, vejam só, gostaria de mostrar a ela como se ensina.
Não sei o que realmente acontecia na sala de aula, portanto não posso dizer se a professora realmente não ensinava. Ela tem, me parece, um estilo europeu de didática, algo que vejo em palestras e aulas de mestres e doutores estrangeiros que aportam por estas bandas. Sentam-se, puxam de suas pastas um texto e o leem de forma pausada, chata para os nossos padrões, mas enriquecedores do ponto de vista do conteúdo. O escritor Enrique Vila-Matas faz suas conferências dessa forma e depois elas são reunidas em livro.
Pois o aluno, inclusive de nível superior, quer um showman a sua frente e pouco se importa com o conhecimento transmitido. E recebe apoio das novas teorias educacionais que afirmam ter passado a era do professor transmissor de conhecimento e que o aluno pode saber mais do que seu mestre.
Dos comentários ao vídeo, todos eram de apoio ao rapaz. Ele a teria humilhado e ela mereceu. Aquela velha história: o professor deve tornar as aulas atraentes, deve ser um macaco de auditório (aliás, está na moda falar de macaco, como escrevi no último diário crônico). É a vitória das teorias que apontam o mundo do jovem, mesmo com pouca idade, poucas leituras, pouco conhecimento de mundo, como mais importante do que o conhecimento acumulado na história da humanidade.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Um toque

Chuva, café, música clássica e leitura. Daqui a pouco, o cachimbo. Combinação quase perfeita para uma manhã de dezembro, já de férias, final de ano, final de um péssimo ano. Os dedos escorrem pelas teclas com aquela necessidade de escrever algo. Não quero, porém, fazer nenhum balanço de final de ano como costumava fazer. As coisas ruins suplantaram as boas, peso maior para a morte trágica do meu pai, cujo rosto pude tocar pela última vez há pouco mais de dois meses. Os dedos continuam tateando o teclado. Há pouco estava lendo o romance O inverno e depois, de Luiz Antonio de Assis Brasil, editado pela L&PM. O protagonista, Julius, é um violoncelista, que tateia as cordas buscando o som perfeito, que toca no seu instrumento entre as pernas (o violoncelo, que fique claro) como se tocasse as curvas do corpo de uma mulher, que toca os cobertores que o protegem do frio do pampa, que toca o corpo das mulheres (Klarika, Constanza) como se tocasse seu cello. O toque é a preliminar do prazer…